Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

24/04/2018 - 10h29min. Alterada em 24/04 às 10h29min

Juros sobem na esteira da disparada do dólar à vista para perto de R$ 3,470

Os juros futuros engataram uma alta na manhã desta terça-feira (24) na esteira do fortalecimento do dólar ante o real até uma máxima aos R$ 3,4681 (+0,53%) no mercado à vista - maior valor intraday desde 5 de dezembro de 2016 (R$ 3,4782). O Banco Central ainda não interveio. Nos primeiros negócios, predominou um viés de baixa também alinhado ao recuo da moeda americana mais cedo em linha com o desempenho externo.
Os juros futuros engataram uma alta na manhã desta terça-feira (24) na esteira do fortalecimento do dólar ante o real até uma máxima aos R$ 3,4681 (+0,53%) no mercado à vista - maior valor intraday desde 5 de dezembro de 2016 (R$ 3,4782). O Banco Central ainda não interveio. Nos primeiros negócios, predominou um viés de baixa também alinhado ao recuo da moeda americana mais cedo em linha com o desempenho externo.
O ajuste de alta do dólar frente o real acompanhou o avanço do índice do dollar (DXY), na esteira da alta do rendimento dos Treasuries de 10 anos, que haviam recuado mais cedo, porém, inverteu a mão e atingiu máxima pouco antes do fechamento deste texto em 2,9888%.
Além disso, segundo um operador, há pano de fundo de cautela em meio à expectativa da pesquisa Ibope sobre as eleições gerais, que só será conhecida à noite e que foi feita entre os eleitores de São Paulo, maior colégio eleitoral do País.
A LCA já previa em relatório o risco de novas altas da moeda americana por conta da possibilidade de uma maior demanda interna por hedge cambial, do vencimento dos contratos futuros de dólar no dia 2 de maio e do resgate de US$ 2 bilhões em linha de dólar do BC no próximo dia 3 de maio (quinta-feira da próxima semana).
No começo da sessão, o dólar caiu no mercado doméstico, com um movimento de realização de ganhos de 4,43% em abril até a segunda-feira, quando o dólar à vista fechou em R$ 3,4497 - maior cotação desde 2 de dezembro de 2016.
Às 10h02min, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 estava a 6,940%, de 6,92% do ajuste de segunda-feira; o DI para janeiro de 2021 indicava 7,96%, de 7,93% no ajuste anterior. E o DI para janeiro de 2023 estava em 9,220%, ante 9,18% do ajuste de segunda-feira.
No câmbio, o dólar à vista registrou mínima mais cedo em R$ 3,4366 (-0,38%). O dólar futuro para maio ganhava 0,41%, aos R$ 3,4685, após máxima em R$ 3,470 (+0,45%). Na mínima, cedeu a R$ 3,4380 (-0,48%). Mais tarde, o Tesouro realiza, às 11 horas, leilão de venda de até 900 mil Notas do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B), papéis indexados ao IPCA, em dois grupos de vencimento.
Pela manhã, foi divulgado que o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que mede a inflação na cidade de São Paulo, registrou leve baixa de 0,02% na terceira quadrissemana de abril, depois de apresentar redução marginal de 0,01% na segunda quadrissemana deste mês.
Já o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) desacelerou em três das sete capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de abril em relação à segunda leitura do mês, divulgou a instituição nesta terça-feira. No geral, o IPC-S arrefeceu de 0,35% para 0,32% entre os dois períodos.