Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 23/04 às 18h54min

Dólar tem ganhos generalizados com sinais de aceleração da economia dos EUA

O dólar encerrou a sessão desta segunda-feira (23), em alta tanto em relação a outras moedas principais quanto na comparação com as de países emergentes. O movimento teve suporte na combinação de leituras favoráveis de indicadores econômicos nos Estados Unidos e com fatores específicos envolvendo o México e o Canadá.
No final da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 108,73 ienes e avançava para 1,2841 dólar canadense. Já o euro caía para US$ 1,2211 e a libra recuava para US$ 1,3945.
O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de seis moedas principais, avançou 0,70%, para 90,946 pontos.
Pela manhã, dois dados relativos ao desempenho da economia dos EUA deram impulso à divisa americana. A IHS Markit informou que o índice de gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) composto dos Estados Unidos subiu de 54,2 em março para 54,8 na preliminar de abril. Analistas ouvidos pela Trading Economics previam alta menor, a 54,6.
As vendas de moradias usadas do país também subiram mais do que o esperado em março ante fevereiro. De acordo com a Associação Nacional das Corretoras (NAR, na sigla em inglês), o avanço no período foi de 1,1%, para uma taxa anual sazonalmente ajustada de 5,6 milhões de unidades, enquanto economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam alta para 5,55 milhões.
As leituras acentuaram a percepção entre operadores de que os sinais de impulso da economia americana devem motivar o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) a promover pelo menos uma alta adicional dos juros básicos, os Fed Funds, em relação ao total de três elevações inicialmente previstas para 2018.
Nesse cenário, a alta do dólar ante moedas principais se explica pela projeção de que, com os Fed Funds em nível mais alto, investidores tendem a migrar de investimentos vistos como arriscados, como ações listadas em outros países, para títulos nos EUA considerados altamente seguros, cujo rendimento passar a crescer. Tal movimento torna mais escassa a oferta do dólar em relação à disponibilidade de moedas como o euro e a libra.
A divisa americana avançou ainda em relação ao dólar canadense, após circular a informação de que houve um incidente em Toronto, onde uma van teria atropelado ao menos oito pessoas. Até o final da tarde, a polícia não havia confirmado se foi um ato terrorista ou não.
Já a valorização da moeda americana ante o peso mexicano acelerou na sequência de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar no Twitter que pode condicionar a existência do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) a esforços do México para controlar mais o fluxo de imigrantes na fronteira entre os dois países. O dólar chegou ao final da tarde cotado a 18,9425 pesos mexicanos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia