Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

20/04/2018 - 15h50min. Alterada em 20/04 às 15h50min

Ouro fecha em baixa com expectativa por nova elevação dos Fed Funds e dólar

O ouro fechou em baixa nesta sexta-feira (20) sob pressão dos fortes ganhos nos rendimentos dos Treasuries, os títulos do Tesouro dos Estados Unidos. Esse movimento ocorre na medida em que investidores já começam a precificar uma alta mais acelerada da inflação americana, o que levaria a um aperto monetário mais firme pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e, assim, à valorização do dólar ante moedas rivais.
O ouro fechou em baixa nesta sexta-feira (20) sob pressão dos fortes ganhos nos rendimentos dos Treasuries, os títulos do Tesouro dos Estados Unidos. Esse movimento ocorre na medida em que investidores já começam a precificar uma alta mais acelerada da inflação americana, o que levaria a um aperto monetário mais firme pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e, assim, à valorização do dólar ante moedas rivais.
Esse cenário para o câmbio torna o metal, cotado em dólar, mais caro para detentores de outras divisas. Os retornos da T-note de 10 anos renovaram máximas em sequência nesta sexta-feira, atingindo os níveis mais altos desde fevereiro, acima da barreira psicológica de 2,9%.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato futuro de ouro para junho fechou em baixa de 0,78%, a US$ 1.338,30 a onça-troy, e caiu 0,71% na semana.
No início do mês, a escalada de tensões geopolíticas que culminou com uma ação militar coordenada entre Estados Unidos, Reino Unido e França na Síria levou o ouro ao nível de US$ 1.360 por onça-troy, mas a commodity logo baixou desse pico.
"Toda vez que chegamos perto desses níveis, o ouro não consegue romper" a resistência, disse o gerente de fundos da VanEck Associates Joe Foster. "Se crescerem expectativas por uma elevação de juros (pelo Federal Reserve), aí certamente isso pesará sobre o mercado de ouro", concluiu. (Com informações da Dow Jones Newswires)