Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Alterada em 20/04 às 11h55min

Petrobras aumenta preços de combustíveis nas refinarias

Gasolina passa de R$ 1,7199 a R$ 1,7391 e diesel de R$ 1,9822 para R$ 2,0045 na refinaria

Gasolina passa de R$ 1,7199 a R$ 1,7391 e diesel de R$ 1,9822 para R$ 2,0045 na refinaria


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Agência Brasil
A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (20), no Rio de Janeiro, a elevação no preço da gasolina e do diesel nas refinarias. A partir deste sábado (21), a gasolina passará de R$ 1,7199 para R$ 1,7391. O diesel vai subir de R$ 1,9822 para R$ 2,0045. 
A gasolina e o diesel comercializados para as distribuidoras nas refinarias são do tipo A. Os produtos vendidos ao consumidor final, nas bombas dos postos, são uma composição que mistura esses combustíveis do tipo A com biocombustíveis. Os preços médios divulgados pela Petrobras para as refinarias também não contabilizam a incidência de tributos.   
O reajuste não necessariamente chegará ao consumidor final porque o preço nas refinarias não é o único fator determinante do preço final, uma vez que distribuidores, revendedores e produtores de biocombustíveis têm liberdade de preço no mercado de combustíveis.
Na nota que anuncia o reajuste, a Petrobras explica que os preços para a gasolina e o diesel têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais desses produtos, mais os custos que importadores teriam. "A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos", diz o texto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia