Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

negócios corporativos

17/04/2018 - 14h04min. Alterada em 17/04 às 14h04min

Em voto, diretor da CVM recomenda revisão de período de silêncio

O diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Pablo Renteria, recomendou que a autarquia reavalie o chamado período de silêncio, quando é vedada a manifestação de companhias abertas, conforme o artigo 48 da Instrução CVM nº 400/2003. A declaração consta da manifestação de seu voto como relator do Processo Administrativo Sancionador (PAS) CVM nº RJ2016/6086, no qual o colegiado absolveu, por unanimidade, Ozires Silva da acusação de ter se manifestado em período vedado.
O diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Pablo Renteria, recomendou que a autarquia reavalie o chamado período de silêncio, quando é vedada a manifestação de companhias abertas, conforme o artigo 48 da Instrução CVM nº 400/2003. A declaração consta da manifestação de seu voto como relator do Processo Administrativo Sancionador (PAS) CVM nº RJ2016/6086, no qual o colegiado absolveu, por unanimidade, Ozires Silva da acusação de ter se manifestado em período vedado.
O caso aconteceu em 2013, quando a Anima realizava uma oferta pública. Em entrevista, Ozires Silva, que na época ocupava a presidência do Conselho de Administração da Anima, falou dos planos de expansão da empresa.
De acordo com o diretor, o caso confirma a necessidade de manter as regras de vedação, mas mostra que o marco temporal adotado no normativo, que veda qualquer manifestação até a publicação do encerramento da oferta, pode não ser apropriado.
No caso da Anima, as manifestações de Ozires ocorreram após "a efetiva cessação dos esforços extraordinários de venda que caracterizam a oferta pública", mas antes da publicação.