Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Energia

17/04/2018 - 11h17min. Alterada em 17/04 às 23h03min

Conta de luz da RGE Sul aumenta 22,47% nesta quinta-feira

Aumento afeta mais de 1,3 milhão de clientes da RGE Sul em 118 municípios no Rio Grande do Sul

Aumento afeta mais de 1,3 milhão de clientes da RGE Sul em 118 municípios no Rio Grande do Sul


GAD/RGS Sul/Divulgação/JC
Jefferson Klein
Clientes da RGE Sul vão pagar mais caro pela energia elétrica a partir desta quinta-feira (19). A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o aumento médio de 22,47% para os mais de 1,3 milhão de clientes em 118 municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), Centro-Oeste e Leste do Rio Grande do Sul. A medida faz parte da revisão tarifária e foi decidida nesta terça-feira (17). 
Clientes da RGE Sul vão pagar mais caro pela energia elétrica a partir desta quinta-feira (19). A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o aumento médio de 22,47% para os mais de 1,3 milhão de clientes em 118 municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), Centro-Oeste e Leste do Rio Grande do Sul. A medida faz parte da revisão tarifária e foi decidida nesta terça-feira (17). 
Para os consumidores residenciais (B1), a elevação será de 20,96%. O aumento será, em média, de 21% para demais clientes da baixa tensão. Já os consumidores de alta tensão, que abrange principalmente operações industriais e comerciais de maior consumo, terão alta média de 24,99%.
A RGE Sul faz parte do grupo CPFL Energia, que também é dona da distribuidora RGE, que atende 255 municípios das regiões Nordeste e Norte do Estados. A revisão da tarifa da RGE deve ocorrer em junho. A proposta em exame pela agência é de aumento médio de 19,5%.  
Em nota, a RGE Sul esclarece que "o aumento das despesas com a compra de energia, com o pagamento do sistema de transmissão e com os encargos setoriais teve um peso significativo na definição dos novos valores tarifários da concessionária". A companhia detalha que a partir de quinta-feira, um cliente residencial que tenha uma conta de energia de R$ 100,00, por exemplo, pagará R$ 82,81 em tributos, encargos setoriais e custos de geração e transmissão da energia elétrica. Do total da conta, R$ 17,19 fica com a RGE Sul.
Recentemente, a OAB-RS entrou com uma ação na Justiça questionando o reajuste de cerca de 30% nas tarifas da CEEE-D. A reportagem do Jornal do Comércio procurou a assessoria de imprensa da entidade para saber se haveria alguma medida semelhante contra o aumento da RGE Sul, mas a instituição preferiu não se manifestar quanto à revisão tarifária dessa distribuidora. Sobre o reajuste da companhia estatal, a assessoria recorda que em dezembro a OAB-RS tentou obter uma liminar para suspender os efeitos do incremento, mas não houve êxito, e agora o assunto está tramitando no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
Outro tópico discutido na reunião de ontem da Aneel envolvendo uma empresa que atua no Estado, a CGTEE, foram as concessões das usinas a carvão Nutepa, São Jerônimo e fases A e B do complexo Presidente Médici. O órgão regulador decidiu recomendar ao Ministério de Minas e Energia a extinção das concessões dessas antigas térmicas.

Entenda o que é cada nível de tensão:

  • Alta tensão: classes A1 (consumo maior ou igual a 230 kV), A2 (consumo de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (consumo de 2,3 a 25 kV).
  • Baixa tensão: engloba as classes B1 (residencial e subclasse residencial baixa renda), B2 (rural - subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural), B3 (industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio) e B4 (iluminação pública).