Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura

04/04/2018 - 13h20min. Alterada em 04/04 às 13h20min

Índice de commodities registrou queda de 1,56% em março

Agência Brasil
Os preços das commodities, produtos primários com cotação internacional, caíram em março. O Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central (BC), registrou queda de 1,56%, na comparação com fevereiro. Em 12 meses encerrados em março, o índice registrou crescimento 8,35% e no primeiro trimestre, queda de 0,33%.
Os preços das commodities, produtos primários com cotação internacional, caíram em março. O Índice de Commodities Brasil (IC-Br), calculado mensalmente pelo Banco Central (BC), registrou queda de 1,56%, na comparação com fevereiro. Em 12 meses encerrados em março, o índice registrou crescimento 8,35% e no primeiro trimestre, queda de 0,33%.
O IC-Br é calculado com base na variação em reais dos preços de produtos primários (commodities) brasileiros negociados no exterior. O BC observa os produtos que são relevantes para a dinâmica dos preços no Brasil.
Em março, o segmento de energia - petróleo, gás natural e carvão - apresentou alta de 2,07%. No caso dos metais - alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo, níquel, ouro e prata -, houve retração de 3,3%. O segmento agropecuário - carne de boi, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café, arroz, carne de porco, cacau e suco de laranja - registrou queda de 2,15%, no mês.
O índice internacional de preços de commodities CRB, calculado pelo Commodity Research Bureau, registrou alta de 1,2% no mês passado, de 2,41% no primeiro trimestre e de 7,17%, em 12 meses.