Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/04/2018 - 09h55min. Alterada em 04/04 às 09h55min

Juros futuros têm forte alta com temor sobre guerra comercial e julgamento do STF

Os juros futuros operam em alta firme na manhã desta quarta-feira (4) em sintonia com o dólar forte e precificando a aversão ao risco no exterior, diante dos temores de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China - e também, segundo operadores, pela incerteza sobre o desfecho do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal, que começa à tarde. As taxas futuras abriram com elevação de 10 pontos-base.
Os juros futuros operam em alta firme na manhã desta quarta-feira (4) em sintonia com o dólar forte e precificando a aversão ao risco no exterior, diante dos temores de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China - e também, segundo operadores, pela incerteza sobre o desfecho do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal, que começa à tarde. As taxas futuras abriram com elevação de 10 pontos-base.
Os riscos de uma guerra comercial aumentam, após a China anunciar retaliações contra a importação de mais de cem produtos dos Estados Unidos. Mais cedo, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que o país não está em uma "guerra comercial" com a China.
Segundo ele, porém, a "incompetência" de governos americanos passados fez com que seu país tenha um déficit bilionário com a potência asiática. "Agora temos um déficit comercial de US$ 500 bilhões por ano, com roubo de propriedade intelectual de outros US$ 300 bilhões. Isso não pode continuar!".
A China anunciou nesta quarta (4) retaliações contra mais de 100 produtos americanos, entre eles soja e aviões. A medida foi uma retaliação à promessa de Trump de impor barreiras em produtos avaliados em US$ 50 bilhões, numa lista que inclui 1,3 mil itens, principalmente no setor de alta tecnologia. Essas tarifas dos EUA foram anunciadas tendo como argumento o roubo de propriedade intelectual pelos chineses.
Às 9h33min, o DI para janeiro de 2019 subia a 6,260%, de 6,234% no ajuste de terça-feira, 3. O DI para janeiro de 2020 avançava a 7,13%, após subir até 7,17% na máxima, de 7,09%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 subia 8,15, ante máxima de 8,19%, de 8,08% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 exibia 9,18%, de 9,08% no ajuste de ontem. No câmbio, o dólar à vista subia 0,56% neste mesmo horário, aos R$ 3,3577, enquanto o dólar futuro para maio ganhava 0,48%, aos 3,3640.