Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

02/04/2018 - 19h08min. Alterada em 02/04 às 19h08min

Dólar recua ante rivais em meio a tensões comerciais entre EUA e China

O dólar apresentou recuo em relação a outras moedas fortes nesta segunda-feira (2), à medida que investidores saíram do mercado de ações nos Estados Unidos e migraram para ativos considerados mais seguros, como o iene.
O dólar apresentou recuo em relação a outras moedas fortes nesta segunda-feira (2), à medida que investidores saíram do mercado de ações nos Estados Unidos e migraram para ativos considerados mais seguros, como o iene.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava para 105,94 ienes, enquanto o euro caía para US$ 1,2303 e a libra subia para US$ 1,4047. Já o índice DXY, que mede a moeda americana contra uma cesta de outras seis divisas principais, fechou em queda de 0,11%, aos 90,052 pontos.
A queda nas ações de tecnologia e o aumento das tensões comerciais entre EUA e China pesaram nos principais índices acionários em Wall Street, com o S&P 500 abaixo dos 2.600 pontos e o Nasdaq perdendo o nível dos 7 mil pontos. O declínio acentuado beneficiou ativos que tendem a atrair compras quando as bolsas se tornam menos seguras, como o iene e o franco suíço.
Nesse sentido, a moeda americana apresentou valorização ante divisas de países emergentes e chegou ao fim da tarde cotada a 57,625 rublos russos, a 11,8655 rands sul-africanos e a 18,3545 pesos mexicanos.
Na avaliação dos estrategistas do Société Générale, "há uma erosão acentuada no otimismo do mercado emergente neste início de ano". As principais preocupações dos investidores estariam nos conflitos comerciais entre os EUA e outros países, além das taxas de juros mais elevadas em solo americano.