Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

LEITURA

Notícia da edição impressa de 25/04/2018. Alterada em 24/04 às 20h44min

Contabilidade societária

Em 1977, logo depois da revolução contábil no Brasil trazida pela edição da Lei nº 6.404/1976, a Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) foi procurada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para editar o Manual de contabilidade das sociedades por ações, que buscava orientar as empresas, os profissionais e o mercado a respeito de tantas e importantes evoluções.
A partir, principalmente, de 1990, com a criação da Comissão Consultiva de Normas Contábeis, a CVM passou a emitir um grande conjunto de normas buscando consonância com o Quadro Internacional de Normas Contábeis (IASB), mais ainda dentro dos limites que a lei brasileira permitia. Ao longo de várias edições, o manual foi incorporando novas normas e conceitos a partir do desenvolvimento legal dos mesmos.
Passados mais de 10 anos, com a criação do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), em 2005, e a edição das Leis nº 11.638/2007 e nº 11.941/2009, produziu-se enorme conjunto de novas normas, desta vez buscando a convergência completa aos modelos internacionais de contabilidade. Estas tem sido as mudanças que representam a grande revolução contábil deste século no País.
Em função das transformações na área, a Fipecafi começou a produção deste Manual de contabilidade societária, totalmente de acordo com os Pronunciamentos, as Interpretações e as Orientações do Código de Processo Civil. Ao grupo de autores do Manual anterior agregou-se o professor Ariovaldo dos Santos, que também tem dedicado enorme parte de sua vida, como profissional e como acadêmico, ao desenvolvimento da contabilidade brasileira.
O manual tem importante função consultiva e para atualização das grandezas presentes nas ciências contábeis. Também tem importante função acadêmica, servindo para as disciplinas de Contabilidade Geral, Contabilidade Comercial, Contabilidade Intermediária, Contabilidade Avançada, Teoria da Contabilidade, Contabilidade Internacional e Estrutura e Análise de Balanços dos cursos de Ciências Contábeis e Administração.Manual de contabilidade societária; Ernesto Rubens Gelbke, Ariovaldo dos Santos, Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins; Editoria Atlas; 880 páginas; R$ 225,00
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia