Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 29 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Leitura

Notícia da edição impressa de 30/04/2018. Alterada em 27/04 às 18h07min

ESTRATÉGIAS

Com mais de 3,5 milhões de exemplares vendidos, A Estratégia do Oceano Azul é um estudo completo sobre concorrência dentro da lógica de mercado. W. Chan Kim e Renée Mauborgne exploram a metáfora entre lucro e oceanos e, nesse contexto, apresentam duas ideias sobre os rendimentos de uma empresa: o oceano vermelho sangrento e o oceano azul. O primeiro, corresponde aos espaços de concorrência acirrada no mercado, no qual as empresas necessitam competir para estabelecer suas marcas, disputando um lucro cada vez menor. Já o segundo representa os negócios que exploram novos espaços e, consequentemente, têm menos competição - ou a tornam irrelevante - para disputar as vendas.
Nesse sentido, o oceano azul não representa uma vitória da empresa sobre os seus concorrentes de negócio, mas sim o investimento dela em uma área pouco trabalhada. Dessa forma, inovando em um segmento, o fator concorrência não é mais considerado para análise.
Para levar o leitor ao sucesso estratégico, os escritores apresentam o seu estudo baseado em 150 movimentos estratégicos, entre eles o Cirque Du Soleil e a Starbucks, que inovaram e acabaram com a disputa nos seus segmentos. Trabalhando com uma abordagem sistemática para expor as ferramentas necessárias, o livro ilumina as questões sobre as relações de competição no mercado.
A Estratégia do Oceano Azul; W. Chan Kim e Renée Mauborgne; Campus; 312 páginas; R$ 64,90; disponível em versão digital

COMÉRCIO

A competitividade no mercado é um dos pilares que sustentam o sistema econômico atual. Com o propósito de auxiliar quem quer se sobressair nessa lógica capitalista, o escritor Tom Hopkins publicou o livro Como ser um Grande Vendedor. Essa competitividade influenciou diretamente a reinvenção no exercício do trabalho e, principalmente, na prática de vendas. Com mais de 1 milhão de cópias vendidas, Hopkins expõe minuciosamente os conceitos para ascender na escala econômica.
Hopkins comenta detalhadamente as características do mundo das vendas. Desde 7 vantagens, as quais ele lista na abertura do livro, até uma seção sobre a loucura ligada ao dinheiro, o autor aborda pontos importantes para o entendimento do mundo das relações econômicas. Ao longo de suas 576 páginas, o escritor ainda trabalha questões sobre a liberdade de um vendedor - e, portanto, sua autonomia como dono do próprio rendimento - e o que ele chama de "mito do vendedor nato", analisando a ideia de uma pessoa já deter o conhecimento intrínseco sobre comércio e vendas.
Nesse ideal de autogestão, a obra auxilia quem busca se aperfeiçoar, não somente em um ambiente de vendas, mas sim em um contexto social para qualquer área ou pessoa que busque se superar. Hopkins traz casos de histórias de sucesso, de vendedores que aprenderam suas técnicas, para auxiliar na visualização do ensinamento.
Como ser um grande vendedor; Tom Hopkins; Best Business; 576 páginas; R$ 49,90
 

GÊNERO

As questões de gênero estão diretamente ligadas ao funcionamento do mercado de trabalho. No livro de Rachel Gouveia Passos, esse ponto de ligação é trabalhado para ilustrar as relações com o gênero feminino dentro da realidade de uma empresa. Segundo a autora, a obra é fruto de uma pesquisa de doutorado em Serviço Social, realizado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e tem como objetivo elucidar e denunciar a opressão sofrida pelas mulheres, bem como apresentar conceitos filosóficos para novas visões sobre o trabalho, principalmente o conceito de "care".
A escritora busca, através de recuperação histórica, apresentar os argumentos que explicam o cenário atual do papel da mulher no mercado de trabalho, como o reconhecimento do trabalho doméstico como forma de trabalho.
Trabalho, Gênero e Saúde Mental é dividido em três grandes seções: fundamentos teóricos e filosóficos do cuidado; configurações do trabalho do "care" na contemporaneidade; as trabalhadoras do "care" na política de saúde mental brasileira. Aprofundando o conceito de "care", criado por Helena Hirata e Daniéle Kergoat e que expõe a desvalorização do trabalho feminino perante o masculino - nas divisões sociotécnicas do trabalho -, o livro da especialista em saúde mental é recomendado para empresários que visam melhorar as relações nas suas equipes.
Trabalho, Gênero e Saúde Mental - Contribuições a Profissionalização do Cuidado Feminino; Rachel Gouveia Passos; Cortez Editora; 224 páginas; R$ 53,00
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia