Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 28/03/2018. Alterada em 27/03 às 22h38min

Rigotto diz que está pronto para concorrer a senador

Ibsen Pinheiro (e) acredita em grande coalizão para reeleição de Sartori

Ibsen Pinheiro (e) acredita em grande coalizão para reeleição de Sartori


/CLAITON DORNELLES/JC
Bruna Suptitz
O ex-governador Germano Rigotto (PMDB, 2003-2006) afirma estar "preparado para concorrer" ao Senado neste ano. Rigotto foi apontado pelo deputado federal Darcísio Perondi (PMDB), em entrevista concedida ao Jornal do Comércio, como um dos quadros do partido para a disputa do cargo. "É uma questão que vem ao natural essa expectativa em torno do meu nome", diz o ex-governador.
Ele pondera que a decisão, embora também seja pessoal, envolve o conjunto dos partidos que irão compor uma coligação com os peemedebistas na eleição deste ano, e acredita que a definição se dará até o final de abril. "Vai ser muito demorado para as pedras serem colocadas no tabuleiro e termos previsão do que vai acontecer tanto em nível nacional quanto estadual", diz.
Outro nome lembrado é o deputado federal Alceu Moreira, presidente estadual do PMDB. Descartando essa opção - Moreira deverá concorrer novamente a uma vaga na Câmara dos Deputados -, Perondi também fala da construção em torno de uma candidatura do ex-governador. "O PMDB ainda não discutiu, mas o nome que tem hoje indicação dos vereadores, associação dos prefeitos, juventude, é de Germano Rigotto", sustenta.
Neste ano, contudo, ocorre a renovação de dois terços das cadeiras do Senado, o que significa a possibilidade de cada partido ou coligação lançar dois candidatos ao cargo. Moreira diz que o preenchimento da segunda vaga por alguém do PMDB ainda não é cogitado, mas, caso venha a ocorrer, cita nomes que podem ser lançados: além de Rigotto, aposta em Paulo Ziulkoski, o próprio Perondi, e o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra (PMDB) - também indicado por Perondi, Terra informou, por meio de sua assessoria, que pretende disputar a reeleição à Câmara.
Perondi apontou em sua entrevista que o PMDB não cometeria o mesmo "erro" de 2010, quando, podendo lançar dois nomes ao Senado, optou por lançar apenas um. "Esse erro não será repetido", afirmou. Ainda assim, o parlamentar acredita que outro partido coligado indicará um nome para completar a segunda vaga.
Já o deputado estadual Ibsen Pinheiro (PMDB), que chegou a colocar o seu nome à disposição para a disputa, enxerga para o cenário eleitoral deste ano uma "coalizão ampla" em torno da candidatura à reeleição do governador José Ivo Sartori (PMDB) e afirma que "é possível colocar na mesa de negociações as duas cadeiras do Senado".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia