Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 27/03/2018. Alterada em 26/03 às 22h21min

Candidatura de Meirelles depende do resultado de pesquisa eleitoral

Sartori e secretários de estado acompanharam a palestra do titular da Fazenda sobre recuperação da economia

Sartori e secretários de estado acompanharam a palestra do titular da Fazenda sobre recuperação da economia


CLAITON DORNELLES /JC
Bruna Suptitz
No dia em que fontes do Palácio do Planalto ligadas ao presidente Michel Temer (PMDB) afirmaram que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), deixará o cargo e ingressará no PMDB, o próprio Meirelles foi cauteloso ao dizer que a definição se dará no início da próxima semana, após avaliação de pesquisas qualitativas que ele encomendou para saber "o que pensa e o que quer o brasileiro, o que deve ser levado em conta numa decisão dessas".
Meirelles falou ontem em evento na Federação das Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), para um público formado por mais de 300 empresários e políticos gaúchos. "Estou conversando com o presidente a esse respeito, com lideranças de partidos", disse, sobre a possível candidatura e a troca de partido. Contudo, quando questionado, fez referência a somente duas siglas: a atual legenda, o PSD, e o PMDB.
Em entrevista publicada ontem no Jornal do Comércio, o deputado federal Darcídio Perondi (PMDB), considerado um dos homens fortes do governo Temer, confirmou que o convite do partido para o ingresso de Meirelles é na condição de "ficar na expectativa" para ser candidato caso Temer não queira concorrer.
Outra opção seria compor a chapa majoritária como vice, já que Temer sinalizou que vai se candidatar para defender seu governo. Meirelles não descarta essa opção, mas deixa claro que não é sua vontade. "Minha consideração é a presidência. Evidentemente, temos que olhar a questão do que quer a população, visando evitar que ocorram resultados negativos para o País."
O ministro chegou ao evento acompanhado do governador José Ivo Sartori (PMDB) e de grande parte do primeiro escalão do governo estadual. Em sua palestra - que se iniciou com atraso de uma hora e durou 40 minutos -, Meirelles disse que "o Brasil está saindo da maior recessão da sua história".
No balanço da gestão de Temer, apontou a queda do índice de desemprego e a criação de novos postos. Os resultados comemorados como positivos, como o Brasil ter atingido, em 2017, o menor índice de inflação desde 1998 - 2,95% -, foram decorrentes "da agenda de reformas, como a do teto dos gastos públicos".
Meirelles provocou risos do público quando, ao citar a reforma trabalhista e a redução do número de ações judiciais de empregados contra patrões, disse que "só quem gosta de processo trabalhista são os advogados". A outra reação surgiu num momento posterior à palestra, quando a presidente da Federasul, Simone Leite (PP), perguntou se Meirelles será candidato à presidência da República. Mesmo postergando o anúncio sobre a decisão, o ministro agradeceu os aplausos do público.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia