Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

stf

22/03/2018 - 18h34min. Alterada em 22/03 às 18h52min

STF decide analisar habeas corpus de Lula; julgamento será dia 4 de abril

Ministros entenderam que o habeas corpus é o instrumento jurídico adequado

Ministros entenderam que o habeas corpus é o instrumento jurídico adequado


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Agência O Globo
A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou, nesta quinta-feira, para que a corte analise o habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que quer o direito de recorrer em liberdade da sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 
Os ministros entenderam que o habeas corpus é o instrumento jurídico adequado. Isso não significa que o pedido será aceito, porque falta ainda analisar os detalhes do caso do ex-presidente. O julgamento do mérito da questão em si foi marcado para o próximo dia 4 de abril.
Votaram nesse sentido Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello. Ficaram contrários o relator, Edson Fachin, e os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e a presidente do Supremo, Cármen Lúcia.
Os ministros analisaram se é possível aplicar ou não a súmula 691 do próprio STF. A súmula estabelece que a corte não deve analisar habeas corpus contra decisão liminar tomada por ministros de tribunais superiores.
O pedido da defesa de Lula foi apresentado ao STF em fevereiro, contra uma decisão do vice-presidente do STJ, Humberto Martins, que negou liminar ao ex-presidente. Depois disso, porém, a Quinta Turma do STJ tomou uma decisão definitiva no âmbito do tribunal, negando por unanimidade a solicitação da defesa.
Assim, um dos pontos que foram avaliados foi se essa segunda decisão, tomada por um órgão colegiado do STJ, autoriza ou não o STF a levar o julgamento adiante.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia