Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 09/03/2018. Alterada em 08/03 às 22h16min

Maia diz não ter dúvida de que estará no segundo turno e afirma que sairá vitorioso

Lançado pré-candidato à presidência da República, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, nesta quinta-feira, ter certeza de que sua candidatura vai decolar e que ele chegará ao segundo turno das eleições deste ano. Ele afirmou não ver necessidade de seu partido continuar no governo a partir de abril e ressaltou não estar "disposto" em ser candidato para defender o legado do presidente da República, Michel Temer (PMDB).
"Minha candidatura vai decolar. Pode escrever. Não tem plano B. Pode escrever aí: estou no segundo turno com certeza", declarou Maia em entrevista à imprensa após a convenção nacional do DEM, na qual sua pré-candidatura foi oficialmente lançada. "Não tenho dúvida de que nossa candidatura estará no segundo turno e sairemos com vitória", reforçou o parlamentar fluminense em outro trecho da entrevista.
Maia minimizou seu baixo desempenho nas pesquisas eleitorais, nas quais aparece com 1% ou menos das intenções de voto. Ele avaliou que, pelos dados de rejeição, a candidatura dele é viável. "Não tenho problema em disputar eleição com baixa intenção de voto", afirmou, citando exemplo do pai, vereador César Maia (DEM), que foi eleito prefeito do Rio em 1992 mesmo com baixo desempenho nas pesquisas.
O presidente da Câmara afirmou que, ao entender que um novo ciclo político vai se abrir, não pode "olhar para trás" e usar sua candidatura para defender o legado de Temer, pois é candidato para defender o "futuro". "A obrigação de defender o legado é do governo, não da minha candidatura. Para defender o legado do governo, não estou disposto", afirmou, ressaltando que, "de fato", há interesse do PMDB de construir uma candidatura à reeleição de Temer.
O DEM ocupa hoje o Ministério da Educação, com o deputado licenciado Mendonça Filho (PE).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia