Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

educação

Notícia da edição impressa de 06/03/2018. Alterada em 05/03 às 23h01min

UnB adota medidas de segurança para aula sobre 'golpe'

"Como vocês devem saber, essa disciplina causou um certo alvoroço", disse o professor Luiz Felipe Miguel logo ao início da primeira aula da disciplina sobre "o golpe de 2016", na Universidade de Brasília (UnB). Alvo de polêmica, a disciplina optativa do curso de graduação em Ciências Políticas foi cercada de medidas extras de segurança.
A sala inicialmente separada para as atividades, que fica no Pavilhão João Calmon, foi trocada por outra em um prédio ao lado, no Instituto de Ciência Política, em uma área menos movimentada.
Logo ao início das aulas, o professor também informou que a participação de alunos ouvintes - ou seja, aqueles que não estivessem formalmente matriculados na disciplina - também seria vetada, conforme decisão tomada em reunião na reitoria.
Segundo a universidade, a mudança de sala ocorreu devido ao receio de tumultos que pudessem afetar alunos e professores.
A discussão em torno da disciplina ganhou destaque há cerca de duas semanas, depois que o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), afirmou ter encaminhado à Advocacia-Geral da União (AGU), ao Tribunal de Contas da União (TCU) e ao Ministério Público Federal (MPF) um pedido para avaliar se a universidade pode alocar professores "para promover uma disciplina que não tem nenhuma base na ciência, é apenas a promoção de uma tese de um partido político".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia