Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Gente

14/03/2018 - 13h43min. Alterada em 14/03 às 13h44min

Genética e trabalho podem ter ajudado Stephen Hawking a viver mais do que o esperado

Cientista faleceu nesta quarta-feira, aos 76 anos

Cientista faleceu nesta quarta-feira, aos 76 anos


MENAHEM KAHANA/AFP/ARQUIVO/JC
Folhapress
Quando começou a desenvolver os sintomas da doença degenerativa conhecida como esclerose lateral amiotrófica, nos anos 1960, o então jovem cientista Stephen Hawking ouviu de seu médico que em três anos, no máximo, estaria morto -antes mesmo da conclusão de seu doutorado. De progressão usualmente rápida, a doença, conhecida como ELA, é caracterizada pela crescente paralisia dos músculos, culminando com a incapacidade de respirar e a morte.
Rara, a disfunção ainda não é totalmente compreendida. Não se sabe exatamente por que Hawking, morto aos 76 anos nesta quarta-feira (14), superou com folga a expectativa de vida que recebeu, por exemplo. Mas especialistas especulam que a genética pode ser uma das respostas. Genes que promovem a proteção dos neurônios motores poderiam ser os responsáveis pela longevidade do cientista.
Segundo o geneticista Ciro Martinhago, evoluções diferentes de uma mesma doença, mesmo entre irmãos gêmeos com a mesma mutação genética, têm como raiz a interação entre os genes e também interações do genoma com fatores ambientais (como a saúde em geral da pessoa). Tudo isso pode potencializar ou minimizar o quadro clínico da doença, afirma Martinhago. "Conhecemos os genes, mas essas variantes é que trazem a individualidade para cada um."
Observações empíricas apontam que questões psicossociais também têm interferência no quadro geral dos pacientes, segundo o geneticista. Acary Oliveira, neurologista especialista em ELA do hospital Albert Einstein, conta que acompanha uma paciente diagnosticada com a doença há 23 anos e, apesar dos comprometimentos musculares, é saudável. "O que ela e Hawking parecem ter em comum é a vontade de se manter útil para a sociedade", afirma Oliveira.
Oliveira aventa ainda a possibilidade de o físico não ter realmente ELA, mas, sim, uma doença como atrofia muscular progressiva ou atrofia muscular espinhal, devido à dificuldade de se diagnosticar a ELA, que não possui exames específicos de identificação.
As maiores chances futuras de tratamentos mais efetivos para a doença, que atualmente não tem cura, estão na terapia genética. "Do ponto de vista terapêutico, você pode inibir os genes causadores ou estimular os protetores", diz Oliveira, segundo o qual esses genes estão sendo descobertos aos poucos.
A ELA está sendo utilizada como uma base de estudos para doenças degenerativas, como mal de Parkinson, o que aumenta os estudos relacionadas à rara condição -que atinge 1 a cada 100 mil pessoas por ano.
Há cerca de quatro anos, o desafio do balde de gelo, no qual pessoas despejavam água com gelo sobre a própria cabeça, dominou as redes sociais. O intuito da ação era despertar atenção e levantar recursos financeiros para pesquisas com ELA. O resultado do desafio foi a arrecadação de US$ 115 milhões, segundo a associação americana ALS (na sigla em inglês, esclerose lateral amiotrófica).
A associação afirma que, desse montante, US$ 84 milhões foram destinados a pesquisas sobre a doença, além dos valores destinados a centros de tratamento e projetos educacionais. Um dos projetos apoiados pela iniciativa conseguiu identificar um gene associado a ELA, segundo reportagem do jornal inglês Guardian, de 2016.
Assim como a fama de Hawking, o desafio também ajudou a jogar luz sobre a rara doença. "A iniciativa trouxe um batalhão de pessoas que colocaram como uma missão entender melhor a doença e minimizar ela", diz Oliveira.
O especialista dá o exemplo de pesquisadores da Fatec que, ao ficarem sabendo da doença por meio do desafio do balde de gelo, o procuraram para o desenvolvimento de um mecanismo para que os pacientes conseguissem controlar posições de suas camas com os olhos, o que aumenta a independência das pessoas que sofrem com a condição.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia