Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

crédito

29/03/2018 - 20h51min. Alterada em 29/03 às 20h51min

Cheque especial vai mudar para baixar juro

Folhapress
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (29) que mudanças no cheque especial, com o objetivo de reduzir as taxas de juros bancárias, deverão ser anunciadas em abril.
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (29) que mudanças no cheque especial, com o objetivo de reduzir as taxas de juros bancárias, deverão ser anunciadas em abril.
Sem dar detalhes, Goldfajn disse que serão medidas de autorregulação, propostas pelos bancos, e por isso serão anunciadas pela Febraban (Federação Brasileira dos Bancos).
A iniciativa virá após mudanças nas regras do uso do cartão de débito, anunciadas pelo BC nesta semana, e de outras medidas regulatórias e de estímulo à concorrência que, segundo Goldfajn, têm como objetivo reduzir o custo do crédito.
O presidente do BC afirmou que a redução dos juros bancários estão "mais ou menos compatíveis com outros episódios [de redução da taxa básica de juros] no passado".
"Não significa que neste episódio não gostaríamos de uma baixa mais rápida da taxa bancária. Estamos trabalhando para isso", disse. "Nós esperamos e vamos trabalhar para uma queda mais rápida nas taxas bancárias."
Goldfajn afirmou que a atual preocupação do BC é manter a inflação baixa, apesar da retomada gradual da economia combinada com taxas de juros em piso histórico.
O Copom (Comitê de Política Monetária), formado pelos diretores do banco, já informou que, mantidas condições adequadas, pretende cortar mais uma vez a taxa de juros na próxima reunião, de maio. E, em seguida, dar uma pausa de avaliação.
Goldfajn disse também que o plano foi discutido e aprovado por todos os diretores. A previsão se mantém mesmo com turbulências políticas no curto prazo, como a nova operação da Polícia Federal, desta quinta, prendendo pessoas próximas ao presidente Michel Temer.
"Vamos sempre olhar os riscos, mas de fato achamos que pausar para avaliar tanto os riscos quanto como está evoluindo a inflação pode ser produtivo", afirmou. "Olhando a inflação baixa, mas observando os riscos na economia e querendo garantir o que foi conquistado à frente".