Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

23/03/2018 - 10h53min. Alterada em 23/03 às 10h53min

Bovespa abre em queda pressionada por Vale e exterior

A Bovespa inicia os negócios em queda na manhã desta sexta-feira (23) em meio à escalada nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China que afetam o apetite dos investidores por ativos de risco em todo o mundo. Em Wall Street, os índices futuros chegaram a ensaiar uma recuperação na última hora, mas voltaram a recuar após o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmar no Twitter que está considerando vetar a lei orçamentária de US$ 1,3 trilhão aprovada pelo Senado americano durante a madrugada.
A Bovespa inicia os negócios em queda na manhã desta sexta-feira (23) em meio à escalada nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China que afetam o apetite dos investidores por ativos de risco em todo o mundo. Em Wall Street, os índices futuros chegaram a ensaiar uma recuperação na última hora, mas voltaram a recuar após o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmar no Twitter que está considerando vetar a lei orçamentária de US$ 1,3 trilhão aprovada pelo Senado americano durante a madrugada.
Anteriormente, a Casa Branca havia informado que Trump assinaria a lei, que é necessária para evitar uma paralisação do governo a partir da zero hora do sábado.
O Ibovespa recuava 0,75%, aos 84.135,70 pontos, às 10h30min.
As trajetória de queda era conduzida principalmente pelas ações ON da Vale, em baixa de 1,34%, diante da forte desvalorização do minério de ferro na esteira do embate comercial entre as maiores economias do mundo. No porto de Qingao, na China, o preço da matéria-prima caiu 3,87% nesta sexta, cotado a US$ 64,58 a tonelada seca.