Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

energia

20/03/2018 - 23h46min. Alterada em 20/03 às 21h01min

Energisa Minas Gerais é a empresa melhor colocada

No total do Brasil, das concessionárias com mais de 400 mil consumidores, as melhores posicionadas no ranking da Aneel foram Energisa Minas Gerais (EMG) em primeiro, seguida da Companhia Energética do Maranhão (Cemar). As distribuidoras que mais evoluíram em 2017 foram a Energisa Minas Gerais e a Energisa Tocantins com um avanço de oito posições em comparação a 2016. Há dois anos, a RGE estava na 20ª posição do ranking, a RGE Sul na 26ª e a CEEE-D na 27ª.
No total do Brasil, das concessionárias com mais de 400 mil consumidores, as melhores posicionadas no ranking da Aneel foram Energisa Minas Gerais (EMG) em primeiro, seguida da Companhia Energética do Maranhão (Cemar). As distribuidoras que mais evoluíram em 2017 foram a Energisa Minas Gerais e a Energisa Tocantins com um avanço de oito posições em comparação a 2016. Há dois anos, a RGE estava na 20ª posição do ranking, a RGE Sul na 26ª e a CEEE-D na 27ª.
Das empresas com até 400 mil consumidores, as melhores foram: a paraibana Energisa Borborema (EBO) e a catarinense Empresa Força e Luz João Cesa (Efljc). No geral, levando em conta todas as concessionárias avaliadas, ao longo do ano passado, os consumidores ficaram 14,35 horas em média sem energia (DEC), o que representa uma redução de 9,23% do valor registrado em 2016, de 15,81 horas em média. O valor do DEC em 2017 é o menor valor histórico para esse indicador.
A frequência (FEC) no número de interrupções se manteve em trajetória decrescente, com redução de 8,87 interrupções em média em 2016 para 8,20 interrupções em média por consumidor em 2017, o que significa uma melhora de 7,55% no período. O valor de compensações pagas ao consumidor, em consonância com a melhoria no serviço, caiu de R$ 571,12 milhões, em 2016, para R$ 477,16 milhões em 2017.