Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 19/03/2018. Alterada em 18/03 às 21h19min

Ibovespa cai 1,72% na semana

Em mais um dia descolado do movimento positivo do mercado acionário no exterior, o Ibovespa fechou a sexta-feira perto da estabilidade (-0,05%), aos 84.886 pontos. Na semana, as perdas do índice à vista somam 1,72%.
Na sexta-feira, o giro financeiro chegou a R$ 17,655 bilhões, muito influenciado pelas negociações em torno da fusão entre Suzano e Fibria (a segunda ação mais negociada em volume).
De acordo com a B3, até o dia 14 de março, os investidores não residentes já retiraram R$ 3,043 bilhões do pregão. Com isso, o saldo no ano vai sendo reduzido e estava em R$ 2,273 bilhões na última quarta-feira.
Muito embora os contratos futuros de petróleo tenham apresentado recuperação - subindo em torno de 1,5% - ao longo do dia, as ações da Petrobras não conseguiram tração para recompor as perdas vistas na sessão de ontem em razão da má recepção dos investidores às notícias sobre a política de dividendos e ao balanço da empresa. Os papéis ON e PN da petroleira fecharam em alta de 1,08% e 0,56%.
Depois de ter se aproximado mais um pouco do teto informal dos R$ 3,30, o dólar passou a atrair ordens de venda no período da tarde de sexta-feira e firmou-se em queda moderada até o encerramento dos negócios. O dólar à vista terminou o dia cotado a R$ 3,2779, em baixa de 0,26% no dia, mas com alta de 0,80% no acumulado da semana.
Bolsa
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia