Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 14/03 às 14h26min

País acelera negociações com a UE para acordo com Mercosul, diz Meirelles

Segundo Meirelles, acordo deve facilitar exportações e importações brasileiras

Segundo Meirelles, acordo deve facilitar exportações e importações brasileiras


EVARISTO SÁ/AFP/ARQUIVO/JC
O ministro Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira (14) que o Brasil está acelerando as negociações com a União Europeia para finalmente fechar um acordo de livre comércio com o Mercosul. Segundo o ministro, o governo também já iniciou conversas com o Reino Unido para um acordo após a sua saída do bloco europeu.
"Isso vai facilitar as exportações brasileiras e a importação de produtos base para a indústria nacional", afirmou o ministro, em entrevista a internautas no Twitter. Meirelles também disse que o Brasil está se aproximando da Parceria Transpacífico, acordo de livre comércio formado por 11 países banhados por aquele oceano.
"Para que o Brasil possa de fato crescer, além do controle das despesas públicas e da inflação, e necessário abrir a economia", avaliou ele, que entre os compromissos previstos de agenda nesta quarta-feira em São Paulo, tem a visita à sede do Twitter e encontro com o alto escalão da empresa.
Questionado sobre se os juros no Brasil continuarão a cair, o ministro respondeu que isso depende da inflação e que a decisão sobre a taxa Selic é do Banco Central. "A taxa básica de juros já é a mais baixa da história, e no devido tempo isso começa a aparecer nos juros de crédito. O custo do crédito deve continuar caindo daqui para frente", completou.
Ele repetiu que o Brasil estava na maior recessão da história, mas voltou a crescer com a inflação controlada. "É possível sim cortar gastos federais inúteis e para isso aprovamos a limitação do crescimento das despesas públicas", acrescentou.
Meirelles reiterou que ainda irá decidir se será ou não candidato à Presidência da República. Ainda assim, ele agradeceu o apoio de internautas que manifestaram na rede social o desejo de votar no ministro na eleição deste ano.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia