Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 05/03 às 20h48min

Dólar tem comportamento misto com ponderação sobre tarifação

O dólar teve comportamento misto ante as principais moedas nesta segunda-feira (5) influenciado pelo impasse em torno da tarifação das importações de aço e alumínio pelos Estados Unidos. O euro, por sua vez, teve leve alta, influenciado pela política da Alemanha e com o investidor monitorando a formação do novo governo da Itália.
No final da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 106,22 ienes, de 105,69 ienes na sexta-feira, e avançava para 1,2992 dólar canadense, de 1,2902 dólar canadense. O euro estava cotado a US$ 1,2334, de US$ 1,2333, e a 131,00 ienes, de 130,36 ienes.
Os operadores internacionais ponderam se haverá ou não uma guerra comercial liderada pelos Estados Unidos. Nesta tarde, o presidente americano, Donald Trump, disse que "não vai desistir" dos planos de tarifar as importações de alumínio em 25% e de aço em 10%.
A declaração de Trump ocorre a despeito de fortes críticas externas e internas. No front doméstico, o aliado republicano Paul Ryan, presidente da Câmara dos Representantes, publicou um comunicado no qual se diz "extremamente preocupado" com a imposição das tarifas. O deputado é membro da ala mais liberal do Partido Republicano, favorável a acordos de livre comércio.
Ainda nesta segunda-feira, a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, disse que as tarifas são inaceitáveis. O país é o principal parceiro de comércio de produtos siderúrgicos dos EUA.
"Na nossa visão, o protecionismo dos EUA vai se provar no longo prazo ruim para o dólar, ruim para os bônus e ruim para o mercado de ações", afirmou o chefe de estratégia de moedas do G-10 do Standard Bank, Steven Barrow.
Nos mercados europeus, o fator político também foi analisado pelos investidores. Ainda que o resultado da eleição da Itália do final de semana tenha deixado o futuro do governo nas mãos de dois líderes populistas, Luigi di Maio e Matteo Salvini, houve o refresco da confirmação da coalizão formada em torno da chanceler da Alemanha, Angela Merkel.
Além disso, a premiê britânica, Theresa May, disse estar perto de um acordo com a União Europeia sobre o Brexit, o que ajudou a valorizar a libra. A moeda britânica chegou ao final da tarde cotada a US$ 1,3842, de US$ 1,3790 na sexta-feira.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia