Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

artes visuais

Alterada em 27/03 às 09h54min

Queermuseu bate meta de financiamento coletivo e vai para o Rio em julho

Depois da passagem polêmica por Porto Alegre, mostra deve acontecer no Parque Lage

Depois da passagem polêmica por Porto Alegre, mostra deve acontecer no Parque Lage


TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
A meta foi batida, e com folga. Assim, está garantida a remontagem, no Rio de Janeiro, da exposição Queermuseu, cancelada no ano passado na capital gaúcha. A mostra deve acontecer em julho, no Parque Lage. Até ontem (26), foram arrecadados R$ 724 mil de 1.230 apoiadores - o mínimo era R$ 690 mil.
Conforme o curador, Gaudêncio Fidélis, é o maior crowdfunding cultural já realizado no Brasil: "o sucesso dessa campanha se deve à força de mobilização daquelas parcelas mais progressistas da sociedade brasileira que disseram não à censura, ao fascismo e ao autoritarismo", afirmou. O apoio pode ser feito até 29 de março, pelo site https://benfeitoria.com/queermuseu. Com os recursos a mais será possível, segundo Fidélis, ampliar o projeto educativo de Queermuseu.
A exposição gerou polêmica na Capital gaúcha. A mostra, que reúne mais de 270 obras com temática LGBT que percorrem o período histórico de meados do século XX até os dias de hoje, explorando a diversidade de expressão de gênero e a diferença na arte e na cultura, foi cancelada após ser acusada de promover pedofilia e zoofilia. O fim da mostra gerou protestos por parte de movimentos artísticos e sociais, que denunciaram o fechamento como censura.
O Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul chegou a recomendar ao Santander Cultural a reabertura imediata da Queermuseu, mas o banco decidiu não reabrir a mostra em Porto Alegre.
Uma nova tentativa de exibir a exposição foi dada pelo Museu de Arte do Rio (MAR), no Rio de Janeiro, que fechou com o curador a ida da mostra para o museu da Praça Mauá, no Centro do Rio. O prefeito da cidade, Marcelo Crivella, no entanto, proibiu a remontagem no local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia