Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 16/03/2018. Alterada em 15/03 às 21h21min

Criminalidade

Nas últimas semanas, várias comunidades de pequenos e despoliciados municípios do interior do Rio Grande do Sul foram aterrorizadas por quadrilhas de assaltantes de bancos que, além de roubarem elevada quantia em dinheiro, explodiram paredes e caixas eletrônicos com dinamite, atiraram para o alto, fizeram populares de reféns e de escudos humanos. No entanto, nesta última segunda-feira (12/3), a Secretaria de Segurança festejou a redução, segundo ela, nos índices de criminalidade, inclusive no item assaltos a banco. E, como não houve referência a ataques a carros-fortes, é de se indicar uma perícia no software da SSP, que pode ter sido atingido por um vírus, pois parece ter perdido sua capacidade de fazer cálculos com exatidão. (Sérgio Becker, Porto Alegre)
Criminalidade II
Mais um assassinato no Rio de Janeiro, agora da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL). Como sempre, pedidos de "apuração rigorosa" do crime, como se isso não fosse a obrigação das autoridades policiais. A ex-Cidade Maravilhosa virou um antro de marginais incrustados em todos os setores da administração pública, caso das polícias. Todos querendo "meter a mão no dinheiro público", a partir da família do próprio então governador, hoje preso, Sérgio Cabral. O resultado está aí, o crime tomou conta do Rio. (Sônia Reverbal dos Santos, Porto Alegre)
Manifestações
Estão certos o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e a Câmara Municipal em endurecerem as penas para quem pichar, depredar ou impedir o trânsito as ruas e avenidas de Porto Alegre. Ninguém é contra as manifestações, desde que não bloqueiam vias da cidade. Mas, se elas forem assim, aí não haverá notícias nos jornais, rádios e tevês... Por isso, a revolta de certas corporações, as quais, sistematicamente, chamam o governador, o prefeito e até o presidente da República de mentirosos, vendedores do patrimônio que "é nosso", mesmo que, até agora, nada tenha sido vendido. E afirmam isso em campanhas de propaganda. Nunca vi empregados de empresas privadas terem condições disso. Mas com estabilidade, aumentos garantidos e todos direitos, com poucos deveres, é o que temos aí. (José Carlos de Mello)
Obras
Li, no Jornal do Comércio, que as obras da Copa de 2014 serão retomadas. Uma delas, está dito, se não me engano, tem 98% das obras concluídas, outras em torno de 80% a 90%. Ora, isso é inadmissível, mesmo se entendendo que faltou dinheiro. Então, não iniciem obras em Porto Alegre sem ter planejamento financeiro para o início, meio e fim do projeto. Elementar, não? Basta aplicar a receita. (Celso Vieira de Castro, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 16/03/2018 08h31min
Coisas de Dorian Bueno!!!nCOLORADOS TENHAMOS UMA GRANDE PACIÊNCIA E SAPIÊNCIA!!!nNós nunca ficamos satisfeito com o nosso Internacional.nIndependente de quem é escalado e mesmo que o resultado seja alcançado, procuraremos apontar alguns defeitos.nFutebol é uma competição de acertos e erros para os dois lados, e devido a isto tudo pode acontecer.nHá anos não temos jogadores para formar um time que encante dentro do campo, e principalmente nas redes sociais.nEu gostaria de ser jogador de futebol somente pelo o salário, e jamais pelo o futebol que poderia jogar ou não.nQuem sabe esteja aí um dos grandes problemas do Futebol.nNão são Messi e nem Cristiano Ronaldo, mas recebem muito pela bolinha murcha que jogam.nNem precisaria ter torcedores torcendo por mim, até mesmo porque lá dentro do campo quem tem que definir ou não a jogada é eu.nOntem o Internacional vez o que tinha que fazer contra o Cianorte, ou seja venceu bem como uma grande instituição que é.nMesmo assim ficou aquele gostinho que poderia ser um jogo mais bonito.nQuem sabe no GreNal, poderemos ter uma surpresa a nosso favor.nAbs. Dorian Bueno