Porto Alegre, sexta-feira, 10 de julho de 2020.
Dia da Pizza.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 10 de julho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR
08/03/2018 - 00h26min. Alterada em 08/03 às 13h44min

Braço mecânico apoia cirurgias

Cerca de 400 cirurgiões serão treinados até agosto para usar nova tecnologia

Cerca de 400 cirurgiões serão treinados até agosto para usar nova tecnologia


FLEX DEX/DIVULGAÇÃO/JC
Um dispositivo mecânico que alcança a destreza de um robô é a nova aposta para aumentar a segurança das cirurgias por videolaparoscopia. A novidade está sendo introduzida pela Flexdex, e a estreia no Rio Grande do Sul foi ontem, em uma prostatectomia minimamente invasiva realizada pelo médico Mirandolino Mariano.
Um dispositivo mecânico que alcança a destreza de um robô é a nova aposta para aumentar a segurança das cirurgias por videolaparoscopia. A novidade está sendo introduzida pela Flexdex, e a estreia no Rio Grande do Sul foi ontem, em uma prostatectomia minimamente invasiva realizada pelo médico Mirandolino Mariano.
"Ele é um cirurgião renomado internacionalmente, foi treinado pela nossa matriz nos Estados Unidos e agora vai ajudar a replicar essa técnica aqui no Brasil", comenta Felipe Dalpra, diretor da Taimin. A companhia comprou as ações da FlexDex e, com isso, passou a cuidar do negócio da startup no Brasil.
Na semana passada, oito cirurgiões passaram por um treinamento em Porto Alegre. Em todo Brasil, a meta é capacitar 400 cirurgiões até agosto. O braço mecânico mimetiza o movimento das cirurgias robóticas e responde aos movimentos das mãos e do punho dos cirurgiões - e faz isso a um custo acessível que com o uso de robôs.
O produto muda o conceito de videocirurgia atual. Isso porque, hoje em dia, o cirurgião movimenta o braço para a direita, e o dispositivo se move para a esquerda dentro da cavidade do paciente. "Com essa ferramenta que estamos trazendo, ele pode voltar a fazer o movimento real, como se estivesse mexendo as mãos dentro do paciente", relata Dalpra.
Comentários CORRIGIR TEXTO