Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Osni Machado

Empresários & Cia

Notícia da edição impressa de 19/03/2018. Alterada em 16/03 às 18h50min

Biscoitos Zezé chega aos 50 anos de mercado

BISCOITOS ZEZÉ/DIVULGAÇÃO/JC
A Biscoitos Zezé completa neste mês o seu cinquentenário. A empresa, localizada em Pelotas, no interior do Estado, iniciou sua atividades a partir de um pequeno armazém fundado por João Maria da Silva Ruivo. Em 1968, foi criada a Padaria Independente, que, pela qualidade dos pães e biscoitos, levou a criação da Zezé.
A empresa familiar sempre manteve controle de seu crescimento, que, ao longo do tempo, foi metódico. Atualmente, a fábrica produz 35 toneladas de alimentos por dia e atende a mercados como Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
O diretor de Planejamento da Biscoitos Zezé, Fábio Langlois, informa que, apesar da crise vivida na economia brasileira, a empresa registrou um crescimento de 8% no faturamento em 2017 sobre 2016. Segundo o diretor, nos primeiros dois meses de 2018, comparado a igual período do ano passado, o crescimento foi de 15%, parte deste valor, puxado pelo pão de mel, e também alavancado a partir de ações na divulgação da marca, em parte via publicidade associada ao futebol.
Langlois explica que o lançamento do pão de mel, no final do ano passado, foi um dos responsáveis pelo retorno financeiro para Zezé. Ele lembra que o produto passou por um período de teste antes de ingressar no mercado, e agora ele está dando retorno. Outro produto que está recebendo grande retorno do público consumidor é o biscoito Mignon, que foi relançado em 2017, com embalagens de 800 gramas, e agora com uma gama de sabores.
Langlois diz que a Zezé, nos últimos 10 anos, investiu ao redor de R$ 10 milhões em tecnologia, com novos equipamentos. Ele explica que a área física da fábrica, de 15 mil metros quadrados, permanece igual, porém a empresa tem capacidade ociosa e um grande potencial de crescimento de mercado. Langlois lembra que, nos últimos cinco anos, a Zezé investiu a cifra de R$ 5 milhões em nova linha de biscoitos.
"Estamos otimistas em relação ao futuro da economia do Brasil. Este vai ser um ano decisivo para o País, e acreditamos que 2019 vai ser um ano do início da recuperação da economia nacional", projeta o diretor de planejamento.
De acordo com Langlois, a Zezé é forte no Sul do Estado e vai buscar ampliar ainda mais o mercado, principalmente, em regiões onde hoje já se faz presente. Langlois explica que a empresa, em seu planejamento de metas, estuda uma forma de ingressar forte em São Paulo. Ele diz que tudo vai depender de vários fatores, entre eles, o crescimento da economia do País e a concretização de planos de ação adotados pela Zezé. Langlois destaca a longa trajetória da empresa, período em que fortaleceu parcerias e também consolidou as suas atividades e sua equipe de trabalho.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia