Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de março de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Notícia da edição impressa de 22/03/2018. Alterada em 21/03 às 19h37min

Bagagens pagas não derrubam os preços dos bilhetes aéreos

Redução mais evidente ocorreu entre Congonhas e Porto Alegre

Redução mais evidente ocorreu entre Congonhas e Porto Alegre


/MARCO QUINTANA/JC
A cobrança da bagagem nas viagens aéreas ainda não trouxe benefício claro aos passageiros. Das 10 rotas mais movimentadas do Brasil, seis tiveram aumento ou estabilidade no preço médio pago pelos consumidores e quatro ficaram mais baratas nos primeiros meses da regra.
Embora as companhias defendessem que a mudança resultaria na queda do preço da passagem, agora, argumentam que a bagagem é só um fator sobre o preço e que outros aspectos - como combustível, oferta e demanda - são mais relevantes.
O fim da franquia gratuita da bagagem entrou em vigor depois de reações negativas dos consumidores e decisões contrárias da Justiça. Após disputa jurídica, os primeiros passageiros sem franquia de bagagem voaram em meados de 2017, e, desde setembro, as quatro maiores empresas - Avianca, Azul, Gol e Latam - praticam a política.
O preço das passagens nas principais rotas domésticas, desde então, não seguiu tendência única na comparação com igual período de 2016. Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que, entre as 10 rotas, três tiveram alta expressiva do preço e quatro ficaram bem próximas da inflação.
A ida e a volta entre Guarulhos e Curitiba teve o maior aumento: 31,2% em novembro ante um ano antes. Longe da polêmica das bagagens, a alta pode ter relação com a menor disponibilidade de voos: o volume de assentos vendidos caiu mais de 40%. Com isso, a demanda entre Congonhas e a capital paranaense cresceu, e as passagens acabaram ficando cerca de 20% mais caras, com aumento de 10% no número de passagens vendidas.
Os dados da Anac também mostram que três rotas tiveram oscilação próxima da inflação. Entre elas está o trecho mais movimentado das Américas: a ponte aérea entre Congonhas e Santos Dumont, cujo preço de novembro subiu 1,8% ante 2016. Em outubro, a oscilação foi para baixo: queda de 1,5%.
Entre os trechos que ficaram mais baratos, a característica comum é o maior número de assentos vendidos. A redução de preço mais evidente ocorreu entre Congonhas e Porto Alegre, cujo bilhete médio recuou 23,7%. O preço pode ter relação com maior oferta de voos na rota: o número de passagens praticamente dobrou na Latam e cresceu quase 40% na Gol. Outras rotas com queda foram as de Guarulhos a Salvador e Recife. Com perfil mais turístico, essas passagens ficaram, em média, 10% mais baratas.
O presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, explica que a oscilação dos preços se deve a vários fatores, sendo que a bagagem e só um deles. "O querosene de aviação subiu 30%. E há movimentos distintos de demanda e concorrência (nas rotas)."
Dados da Abear indicam que o combustível é o maior custo e representa 26% do que a aérea gasta. Em seguida, vêm aluguel e manutenção dos aviões (22%), tripulação (11%) e outras despesas operacionais (11%). Não há cálculo sobre as bagagens.
Questionado sobre a promessa de que seria possível reduzir a passagem com a bagagem paga, Sanovicz diz que a medida é importante para que as empresas já estabelecidas se preparem para a provável chegada de empresas de baixo custo, como ocorre na Argentina. "Aqui, na esquina, estão chegando duas ou três empresas que fazem isso. Temos de nos preparar para a disputa com toda a flexibilidade que a eventual concorrente tenha."
Para ele, a bagagem faz parte de uma tendência de desregulamentação do setor, movimento que resultará na queda dos preços. "É possível baratear as passagens? É. Isso acontecerá à medida que o ambiente regulatório for mais alinhado ao que acontece no resto do mundo."
A Anac diz, em nota, que a avaliação do impacto da nova política é "prematura e pode induzir a conclusões precipitadas". Alega ser preciso analisar uma série mais longa, mas que os benefícios aparecerão. "Os ganhos de eficiência e bem-estar social devem se consolidar com mais tempo."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Adroaldo de Almeida Mousquer 28/03/2018 10h22min
Nossos governantes tem o antes e o depois. Antes a conversa é uma; depois já foi. E assim vai.