Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de junho de 2018.
Dia da Imprensa.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 28/02 às 10h25min

Marchezan quer fim de Carris e Fasc e vender Procempa

Assistência Social deve 'sair da mão de estrutura partidarizada', afirmou

Assistência Social deve 'sair da mão de estrutura partidarizada', afirmou


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bruna Suptitz
O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), afirmou nesta terça-feira que quer se desfazer de três órgãos da administração pública municipal, que apresentaram balanço negativo no primeiro ano da gestão tucana: a Companhia de Processamento de Dados (Procempa), com déficit de R$ 90 milhões; a Carris, com déficit de R$ 60 milhões; e a Fundação de Assistência Social (Fasc) com saldo negativo de R$ 210 milhões no ano passado. Ao todo, a despesa nos três órgãos supera a receita em R$ 360 milhões.
Em palestra na Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA), Marchezan explicou que a ideia é extinguir a Carris e a Fasc. Para a Procempa, a ideia é vender ou, ao menos, reduzir o tamanho da companhia.
O Executivo vai contratar uma empresa de consultoria para avaliar o quanto vale a Carris e como conduzir o processo. “Se alguém quiser, pode levar. É um favor que faz para a administração. Mas precisa assumir as despesas com pessoal e dívidas trabalhistas”.
O caso da Procempa, que em outros momentos também foi alvo de crítica do prefeito pelo custo de manutenção, é considerado “mais fácil”, e se cogita tanto a venda quanto a redução do tamanho e das funções.
Já a Fasc é novidade como alvo de extinção. Para Marchezan, acabar com o órgão é tirá-lo “da mão de uma estrutura partidarizada”, sem especificar a que estruturas se refere. A ideia é entregar a gerência para organizações da sociedade civil. “Precisamos extinguir com o formato jurídico correto”, sustentou.
As medidas, alega o prefeito, possibilitariam evitar um gasto de recursos que hoje faltam para outros serviços básicos. O exemplo foi ancorado no que ele considera serem “problemas evidentes” e que ganharam notoriedade em debates nas redes sociais: a falta de capina e de conserto em buracos nas vias.
“Quem quer reclamar da capina da cidade? Ou dos buracos?”, disse, provocando risos da plateia. “Não precisa levantar a mão”, continuou. “Para tapar o buraco, precisa de dinheiro para comprar o asfalto. Nossa escolha é pagar a merenda da creche. Para capinar, precisa pagar a empresa que faz o serviço. Nossa escolha é pagar as creches conveniadas”, completou.
O modelo de parceria adotado na gestão das creches comunitárias é o que Marchezan defende para a Fasc - ele já foi ampliado, para uma escola comunitária de educação básica. “A maioria dos liberais”, disse, se incluindo no grupo, “concorda com isso”.
No evento, Marchezan fez um balanço do seu primeiro ano de gestão e projetou medidas que pretende viabilizar por meio de parcerias com a iniciativa privada e desestatização de serviços públicos. Entre os exemplos, citou a iluminação pública, o mobiliário urbano, a gestão do Mercado Público e de escolas municipais e a construção do anexo ao Hospital de Pronto Socorro.
Para efetivar as medidas, reforçou o discurso adotado de que a arrecadação do município deve superar o montante gasto e que isso depende de apoio Legislativo. “Não tem como resolver o problema de Porto Alegre se não aprovar todos os projetos que estão na Câmara de Vereadores, para fazer a despesa caber na receita”.
Propostas ainda consideradas essenciais para o saneamento das finanças do município, como o projeto de revisão da planta de valores do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) – ao qual o prefeito se refere como de alto impacto, porém de longo prazo –, não tiveram respaldo da Câmara no ano passado. Outra medida impopular é a reforma da Previdência municipal - em 2017, o Previmpa (Departamento Municipal de Previdência) registrou déficit de R$ 779 milhões; para este ano a projeção é de R$ 900 milhões negativos.
O prefeito, que durante os 38 minutos de sua apresentação foi aplaudido em três situações - quando falou do aumento percentual do tempo de professores em sala de aula; do atendimento nas unidades de saúde com funcionamento até às 22 horas; e ao fim do evento -, demonstra contar com apoio do setor empresarial, e fez um apelo para que as entidades pressionem os vereadores para votarem favoráveis ao governo.
Esse mesmo respaldo não é encontrado no Legislativo. Marchezan apontou a relação com o Parlamento Municipal como o "maior empecilho" para o destravamento das ações propostas pelo Executivo. O presidente da Câmara, Valter Nagelstein (PMDB), não compareceu ao evento, e apenas quatro dos 36 vereadores da Capital estavam no almoço: Moisés Barboza (PSDB), Ricardo Gomes (PP), Luciano Marcantônio (PTB) e Comandante Nádia (PMDB). Neste ano, a tendência é Marchezan enfrentar mais resistência na Câmara. Em ano eleitoral, vereadores que buscam vagas na Assembleia Legislativa ou apoiam candidatos tendem a evitar desgaste com temas polêmicos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jornaldocomercio.com/_midias/png/2018/02/27/206x137/1_marchezan-1747302.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a95fc5e782ae', 'cd_midia':1747302, 'ds_midia_link': 'http://jornaldocomercio.com/_midias/png/2018/02/27/marchezan-1747302.png', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '548', 'cd_midia_h': '415', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Guilherme Luis Dias de Almeida Estanislau 31/05/2018 23h45min
Quando um administrador público pensa em cortar qualquer tipo de mordomia dos servidores públicos ele se torna automaticamente um incompetente... Estamos vivendo a maior crise que o país já viu em muitos anos. Quatorze milhões de Brasileiros estão desempregados por conta dela... a grande maioria ficaram nessa situação por conta dos cortes que as empresas tiveram de fazer para se adequarem ao mercado. Quero perguntar aos senhores quantos funcionários foram mandados para casa por conta da crise... pois é ... nenhum ... os filhinhos do brasil têm estabilidade a qual quer preço ...os outros , o povo em geral, quero dizer ... os milhões que pagam a conta ... esses que se ferrem... Não são levados em consideração nesta equação ...quero dizer na equação que interessa ás elites funcionais , quero dizer vereadores e caterva....
Redação JC 28/02/2018 18h10min
Caro Fernando, as informações sobre a Procempa usadas no texto fora fornecidas pelo prefeito e não checadas junto aos órgãos competentes. Nesta quinta-feira publicaremos nova reportagem atualizando estes números.
Antonio 28/02/2018 15h54min
É uma irresponsabilidade divulgar números errados para fomentar um ponto de vista. A INFOVIA em mãos privadas teria custo altíssimo para a PMPA. Segundo dados do Portal da Transparência da PREFEITURA, a Procempa teve receita de R$ 137.808.939,79 e despesa de R$ 118.463.450,01 bruto, R$ 2.148.371,67 retido e R$ 116.315.078,34 líquido, no período entre 1º de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de 2017. Informações deveriam ser verificadas antes de ser publicadas.
Paulo Tavares 28/02/2018 15h33min
"Quem quer se livrar do Marchezan, já que este não tem capacidade alguma de ser prefeito de Porto Alegre"? Quase toda a população da cidade!
Camila Alves 28/02/2018 14h03min
Não é verdade o que o "prefeito" diz. Mente para a população novamente ao dizer que a Procempa tem déficit 90 milhões. Este é o custo que empresa cobra pelos serviços prestados a prefeitura/EPTC/CARRIS/DMAE e outras repartições, que alias, não recebe em dia. Acha caro!, então vá para a iniciativa privada e verás o que realmente é caro além é claro de tornar a cidade refém deste setor. Outra! no privado se não paga não há serviço, como fica a cidade?
Fernando Machado 28/02/2018 10h39min
Impressionante o baixo nível da reportagem. Mais impressionante ainda a publicação de informações sem o menor critério. A Procempa não tem 90 milhões de déficit, e sim os serviços da Procempa CUSTAM 90 milhões ao ano para a Prefeitura. Custo operacional é MUITO diferente de déficit, caso o "jornalista" não saiba.
Adeli Sell 28/02/2018 08h42min
Alguém pode avisar o prefeito que nesta cidade tem Câmara Municipal, por favor, e lá temos uma CCJ que será a primeira barreira legal que ele vai achar pela frente. Adeli Sell, vereador
Andréa 27/02/2018 22h59min
A política é a arte de usar os dados em benefício próprio. Dizer que aumentou o tempo dos professores em sala de aula não quer dizer que aumentou o tempo do aluno na escola. Esse, diminui cada vez mais. Mas como o objetivo era oprimir ainda mais o servidor público, então, foi alcançado. E ao falar para um público que está bem distante da educação, fica fácil. Dá bem pra entender porque só quatro Vereadores gastaram seu tempo assistindo o prefeito falar...