Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Transparência Internacional

Notícia da edição impressa de 22/02/2018. Alterada em 21/02 às 21h03min

Sensação de corrupção no País dispara, diz pesquisa

Inação do Congresso ante casos de corrupção agravou a situação

Inação do Congresso ante casos de corrupção agravou a situação


/ALEX FERREIRA/CÂMARA DOS DEPUTADOS/DIVULGAÇÃO/jc
Apesar de a Operação Lava Jato ter colocado na prisão políticos e empresários poderosos, a sensação de corrupção no País disparou no último ano, segundo pesquisa da Transparência Internacional (TI). O Brasil perdeu 17 postos e passou do 79º lugar para a 96ª posição, passando a figurar ao lado de países como a Zâmbia, a Colômbia e o Panamá, todos com 37 pontos. Com essa posição, o País fica atrás de Ruanda, Burkina Fasso, Timor Leste e Arábia Saudita.
É a pior posição do Brasil desde 2012. Apesar de a pesquisa da Transparência Internacional existir desde 1996, os dados só são comparáveis estatisticamente desde aquele ano, porque houve mudança de metodologia.
Os três países mais íntegros são Nova Zelândia, Dinamarca e Finlândia, com 89, 88 e 85 pontos, respectivamente. O país mais corrupto é a Somália, com 9 pontos, à frente de Síria (14 pontos) e Sudão do Sul (12 pontos). No levantamento feito em 80 países, dois terços tiveram nota menor do que 50, o que, nos critérios da Transparência Internacional, significa que falharam no combate à corrupção.
Quanto maior a pontuação, menos corrupto é o país. A nota é dada a partir de uma série de levantamentos com entidades que fazem análises sobre o setor público brasileiro, como o Fórum Econômico Mundial e a Economist Intelligence Unit.
A pesquisa da TI, chamada de IPC (Índice de Percepção de Corrupção), é a mais respeitada e a mais utilizada no mundo sobre ética e negócios públicos.
Em 2014, quando começou a Lava Jato, o Brasil ocupava a 69ª posição, com 43 pontos. Desde então a percepção de corrupção do País só tem aumentado.
Essa deterioração da imagem não ocorre por acaso, segundo Bruno Brandão, representante da Transparência Internacional no Brasil.
Para Brandão, esse fenômeno ocorre porque o País trouxe à tona um tsunami de negócios ilícitos entre grandes empresários e os governos, mas os parlamentares, muitos dos quais beneficiários desse esquema de suborno, não fizeram nada para alterar a ordem da propina. Ou, como diz a TI em comunicado à imprensa, "os fatores estruturais da corrupção nacional seguem inabalados", já que não houve avanço de medidas de combate.
"Não houve em 2017 qualquer esboço de resposta sistêmica ao problema; ao contrário, a velha política que se aferra ao poder sabota qualquer intento neste sentido", afirma Brandão no mesmo comunicado.
A sabotagem ocorre, na visão dele, porque a população se dividiu enquanto os políticos cerraram fileiras contra a Lava Jato. "Se as forças que querem estancar a sangria se mostram bastante unidas, a população se divide na polarização cada vez mais extremada do debate público, o que acaba anulando a pressão social e agravando ainda mais a situação."
Havia uma janela de oportunidades para mudar essa tendência no ano passado, na interpretação da entidade, quando a posição ficou em situação estável (houve uma queda de três posições, apenas). Se a janela fosse aproveitada, diz Brandão, o País poderia ter entrado numa fase virtuosa e começaria a usufruir das mudanças em favor da ética. Mas essa janela foi perdida porque os políticos estavam mais interessados em se salvar.
 

Entidade coleta ideias para projetos anticorrupção

Para contornar a inação dos políticos, a Transparência Internacional decidiu, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, coletar ideias para mudar o quadro legal no País. As duas instituições colocam em debate um pacote de 80 projetos de lei anticorrupção, resultado de uma pesquisa realizada com 300 entidades do Brasil.
As ideias partem das Dez Medidas Contra a Corrupção - projeto de lei da força-tarefa da Operação Lava Jato, que teve grande mobilização popular e está parado no Congresso -, mas também contêm críticas às ideias dos procuradores.
Na visão da Transparência Internacional, as Dez Medidas tinham um viés excessivamente punitivo e negligenciavam a educação e prevenção, áreas que foram contempladas nos 80 projetos de lei propostos junto com a Fundação Getúlio Vargas.
Ninguém na entidade tem a ilusão de que esses projetos possam ser aprovados pelo atual Congresso. O pacote vai ser o teste de fogo para os deputados e senadores que serão eleitos em outubro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia