Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

20/02/2018 - 17h36min. Alterada em 20/02 às 17h52min

Temer nomeia investigado para agência reguladora e diz que não sabia

O Palácio do Planalto informou que o presidente não tinha conhecimento das denúncias contra o executivo

O Palácio do Planalto informou que o presidente não tinha conhecimento das denúncias contra o executivo


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
Folhapress
presidente Michel Temer nomeou o engenheiro Mário Rodrigues Júnior para o cargo de diretor-geral da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). O executivo foi citado em depoimentos de empreiteiros alvo da Lava Jato por suposta participação em esquema de corrupção nas obras do Rodoanel de São Paulo.
Questionado pela reportagem, o Palácio do Planalto informou que o presidente não tinha conhecimento das denúncias contra o executivo, mas não adiantou se ele recuará da nomeação, publicada nesta terça (20) no Diário Oficial da União.
Júnior substituirá Jorge Luiz Macedo Bastos e terá mandato até 18 de fevereiro de 2020. Ele é apadrinhado político do PR, partido controlado pelo ex-deputado condenado no mensalão Valdemar Costa Neto.
Desde agosto de 2016, já ocupava um cargo de diretoria na ANTT. Antes, exerceu funções de comando na Valec, a estatal federal de ferrovias, e na própria agência reguladora.
O novo diretor-geral da ANTT, órgão que fiscaliza os serviços de exploração da infraestrutura de transportes, é investigado por sua atuação como diretor da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) em gestões tucanas. Coube a ele conduzir a licitação para um dos trechos da obra, em 2006.
Após as delações da Odebrecht, um inquérito sobre o caso foi aberto pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para investigar o senador José Serra (PSDB-SP), ex-governador de São Paulo, por supostos pagamentos indevidos relacionados ao empreendimento. O senador nega participação em quaisquer irregularidades.
Conforme os depoimentos à Polícia Federal e ao MPF (Ministério Público Federal), Júnior foi o responsável por recolher comissões das empresas interessadas em executar os serviços. Os valores teriam sido destinados a campanhas do PSDB.
O executivo Roberto Cumplido, ex-diretor de Contratos da Odebrecht em São Paulo que fez delação premiada, contou à PF que as empresas fizeram "acordo de mercado" para vencera licitação para o Rodoanel Sul com desconto mínimo em relação ao preço estabelecido no edital.
Ele afirmou que, em contrapartida, Júnior solicitou recursos para, supostamente, repassar para o partido.
"Júnior mencionava que deveria arrecadar recursos para o PSDB. De fato, após a licitação, efetuou o pagamento de R$ 1,2 milhão para Júnior. Concordou com o pedido feito por Júnior, tendo em vista que, de fato, foram incluídos serviços no edital do Rodoanel Sul, conforme demanda das empresas", declarou Cumplido num dos depoimentos.
Segundo ele, o dinheiro foi entregue em espécie ao então diretor da Dersanum endereço indicado por ele próprio. O delator relatou que todas as empreiteiras participantes da concorrência foram procuradas para fazer pagamentos a Júnior na proporção de sua participação nas obras.
O executivo da OAS Carlos Henrique Barbosa Lemos, líder operacional da empreiteira em São Paulo, também acusou Júnior de integrar o suposto esquema de corrupção. Em depoimento à PF, ele contou que, em troca de facilidades para conseguir participar das obras, as empreiteiras concordaram em pagar R$ 30 milhões para reforçar o caixa de campanhas tucanas. "Caberia a cada empresa realizar o pagamento solicitado diretamente a Júnior", contou.
Os recursos, segundo ele, tinham de ser entregues ao agora diretor-geral da ANTT. O executivo relatou que, no caso da OAS, o repasse foi de R$ 2,3 milhões, parte em espécie e parte em doações oficiais ao partido.
Em nota, a ANTT informou que o novo diretor-geral não comenta "conteúdos que serão objeto de exame pelo Poder Judiciário".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia