Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

SÍRIA

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 27/02 às 23h31min

Trégua diária não está sendo cumprida por Damasco, afirma ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou ontem que a trégua humanitária em Ghouta Oriental, convocada pela Rússia, aliada do presidente sírio Bashar al-Assad, não foi cumprida na madrugada de terça-feira e que os combates continuam. Moscou propôs, na segunda-feira, um cessar-fogo diário para permitir o recebimento de ajuda humanitária e a saída da população civil.
"Temos relatos nesta manhã (ontem) de que há combates contínuos em Ghouta Oriental", disse o porta-voz do Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Jens Laerke, em Genebra. "Claramente, a situação no terreno não permite que comboios possam ir ou que retiradas médicas possam ocorrer."
Helicópteros lançaram duas bombas contra uma cidade na região controlada por rebeldes, e um avião de combate atingiu outro local durante o cessar-fogo, afirmou o grupo de monitoramento Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado na Inglaterra. A Síria nega os ataques aéreos e diz que o corredor humanitário estabelecido para permitir a saída dos civis foi atacado pelos rebeldes.
Mais de 500 moradores já morreram em dez dias de bombardeios do governo sobre Ghouta, uma região de pequenas cidades e fazendas nos arredores de Damasco, controlada por rebeldes. Cerca de 400 mil pessoas vivem no local. Segundo a proposta russa, a trégua deveria começar às 9h locais (4h no Brasil) e seguir até as 14h (9h).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia