Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Alemanha

Alterada em 21/02 às 15h02min

Jornal registra cachorro para votar em partido na Alemanha

Folhapress
Uma cadela de três anos chamada Lima-boquiaberta e vestida para o frio com um cachecol vermelho-pode ajudar a decidir se a Alemanha terá um novo governo, afirma o tabloide Bild. Essa publicação registrou a desavisada cachorra para votar por correio em uma consulta entre os militantes do SDP (Partido Social-Democrata), que decidem nas próximas semanas se aprovam uma coalizão com a CDU (União Cristã-Democrata) da chanceler Angela Merkel e a CSU (União Cristã-Social).
O país pode ter de voltar às urnas se não houver nenhum acordo. A cachorra Lima chegou inclusive a receber as cédulas para votar, além de panfletos das diversas facções dentro do partido. Sua idade aparece na ficha como 21 anos, a partir do cálculo de conversão entre anos caninos e anos humanos.
O "Bild" não ressalta, porém, que apesar de o animal ter sido cadastrado com sucesso como militante terá de enviar um documento autenticado com seu voto -ou seja, sua canina opinião sobre a aliança entre os partidos não valerá para nada.
"Não é sobre a cachorra Lima, mas sobre como nós do 'Bild' provamos quão propenso à falsificação é o voto dos membros do SPD", um porta-voz do tabloide explicou à agência Reuters. A história fez com que o SPD tenha sido forçado a ir a público para esclarecer, na terça-feira (20), que a cachorra não poderá participar da consulta, apesar de estar vestida com a cor do partido.
"Um cão não pode votar," disse Andrea Nahles, que deve substituir Martin Schulz na direção do partido social-democrata. O SPD indicou que pode acusar o "Bild" de falsificar a identidade e de divulgar informações falsas.
Alemães votaram em suas eleições em 24 de setembro, mas, como de costume nesse país, nenhum dos partidos teve votos o suficiente para governar sozinho. A aliança entre CDU e CSU teve 32,9%, e o SPD, 20,5%. Os três partidos vinham governando na chamada grande coalizão, mas os social-democratas a princípio disseram não ter interesse em repetir o experimento -a parceria é uma das razões de seu resultado historicamente ruim, o pior desde a Segunda Guerra (1939-1945).
Como a CDU não conseguiu estabelecer uma aliança com outros partidos menores, voltou a negociar com o SPD. As saídas são governar em minoria, o que Merkel descarta, ou convocar novas eleições.
Um novo pleito, no entanto, poderia beneficiar o partido de direita ultranacionalista AfD (Alternativa para a Alemanha), que teve 12,6% dos votos em setembro.
Após meses de negociações, CDU e SPD concordaram em montar mais uma vez sua grande coalizão. A última etapa antes de o governo ser formado é que os militantes social-democratas deem seu aval por correio.
A consulta termina em 2 de março, decidindo ali o futuro de Merkel-há 12 anos no poder-e o governo da maior economia na União Europeia. O resultado está previsto para 4 de março, coincidindo com as eleições legislativas na Itália. Como parte da militância social-democrata prefere estar na oposição, não está claro que resultado essa consulta terá. O SPD tem mais de 460 mil membros registrados, incluindo Lima.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia