Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Serviços

Notícia da edição impressa de 01/03/2018. Alterada em 01/03 às 10h46min

Correios aplicam reajuste a partir de 6 de março

Em nota, Correios negam que aumento será de 51%

Em nota, Correios negam que aumento será de 51%


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O aumento nas taxas do frete cobrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) - conhecida, popularmente, como Correios - ainda nem foi anunciado, mas já causou alvoroço nas redes sociais. O Mercado Livre, uma das principais empresas de compra on-line do País, criou a campanha "Frete Abusivo Não", calculando que o reajuste pode chegar a 51% para compras e vendas realizadas via comércio eletrônico. No interior do País, o impacto deve ser ainda maior. O aumento está previsto para começar a valer no dia 6 de março e deve ficar em torno de 8%.
Em resposta à mobilização da empresa, os Correios publicaram uma nota na qual negam que o aumento será de 51%. "A média será de apenas 8% para os objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual, que representam a grande maioria das postagens realizadas nos Correios."
Como justificativa, os Correios explicam que o reajuste se trata de uma "revisão anual" e que a definição dos preços é baseada nos custos relacionados à prestação dos serviços, considerando gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível e contratação de recursos para segurança. A ECT ainda defende que o reajuste não é para o e-commerce, mas para serviços de encomendas, também utilizados pelo
e-commerce. A parceria com esse tipo de comércio foi, inclusive, destacada, e os Correios lembraram que essa junção viabiliza a atividade de inúmeras micro, pequenas e médias empresas "devido à oferta de pacotes de benefícios exclusivos para marketplaces brasileiros, incluindo reduções de preços que chegam a mais de 30% no Sedex e 13% no PAC".
Procurada pela reportagem, a ECT afirmou que espera uma definição da área comercial a respeito do valor exato do reajuste. No entanto, adiantou que os usuários podem calcular estimativas no próprio site dos Correios (www.correios.com.br) com base em um reajuste de 8%. Valores a serem aplicados nas entregas do Rio Grande do Sul também foram solicitados, mas o Jornal do Comércio não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Além do aumento, taxa extra será cobrada no Rio de Janeiro com a justificativa da insegurança

Para moradores da cidade do Rio de Janeiro, a taxa será ainda maior. Isso porque os Correios irão cobrar, também a partir de 6 de março, uma taxa extra de R$ 3,00 para todas as encomendas enviadas ao município. A cobrança ocorre por causa do "crescimento da violência", porém a empresa afirma que a taxa pode ser suspensa a qualquer momento, desde que a situação de violência seja controlada.
Os Correios também argumentam que essa cobrança já é praticada por outras transportadoras brasileiras desde março do ano passado. A ECT afirma que o caos na cidade chegou a extremos, e que o custo para a entrega de mercadorias, alvo de constantes furtos, sofreu "altíssimo impacto" devido às medidas tomadas para garantir a segurança dos empregados, das encomendas e das unidades de atendimento. A explosão da criminalidade fez com que a estatal suspendesse a entrega de produtos em quase metade do Rio de Janeiro. Dos 27.616 endereços da cidade, há algum tipo de restrição em 12.037 deles, o que equivale a 43,6% do total.
O Rio de Janeiro passa por uma crise político-econômica, com graves reflexos na segurança. Desde junho de 2016, o estado está em situação de calamidade pública. Não há recursos para pagar servidores e para contratar policiais militares aprovados em concurso. O Rio de Janeiro está sob intervenção federal na área de segurança desde o dia 16 de fevereiro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
José Rosa 01/03/2018 08h19min
O GOVERNO PARA SUSTENTAR A SUA MONSTRUOSA INOPERANCIA ESTATAL, SIMPLESMENTE AUMENTA SEM NENHUM CRITÉRIO. A INOPERANCIA DOS CORREIOS TORNOU-SE CRÍTICA. TENHO LEVADO , PASMEM, 45 DIAS PARA RECEBER UMA ENCOMENDA DO CENTRO DO PAÍS. FICA RETIDA E NÃO DISTRIBUEM, E QUANDO VAMOS RECLAMAR DIZEM QUE É FALTA DE PESSOAL. UM ABSURDO O AUMENTO QUE QUEREM EMPURRAR GUELA ABAIXO DE QUEM DEPENDE DE ENTREGAS PELOS CORREIOS COMO É O MEU CASO. NÃO É 8% APENAS NÃO. FRETE PARA O INTERIOR DE S.PAULO AUMENTARÁ 45% !!