Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 28/02 às 13h49min

Desemprego recua na Região Metropolitana de Porto Alegre em janeiro

Apesar dos dados positivos, pesquisadores advertem apesar para queda no número de empregos com carteira assinada

Apesar dos dados positivos, pesquisadores advertem apesar para queda no número de empregos com carteira assinada


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
A Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre (PED-RMPA) registrou queda na taxa taxa de desemprego total para 12,1% em janeiro de 2018. Em dezembro de 2017, o desemprego era de 12,8%.
Em janeiro, o número total de desempregados foi estimado em 227 mil pessoas, representando redução de 12 mil em relação ao mês anterior. Para a economista Virgínia Donoso, do Dieese, o resultado ocorreu porque o crescimento do nível ocupacional foi superior ao aumento da força de trabalho. "Isso significa que a geração de 23 mil postos de trabalho (1,4%) foi superior ao aumento em 11 mil pessoas que ingressaram no mercado de trabalho da região", afirmou em nota.
 O PED apontou que houve criação de postos de trabalho na indústria de transformação (geração de 10 mil postos de trabalho, ou 3,7%), no setor de comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (11 mil, ou 3,2%) e em serviços (7 mil, ou 0,8%). No setor de construção, houve redução de 7 mil postos de trabalho.
Os números do mês de janeiro mostram uma pequena melhora em relação a dezembro, já que houve redução do desemprego e variação positiva da ocupação em praticamente na maioria dos setores de atividade econômica. No entanto, as pesquisadoras responsáveis pela pesquisa alertam que os números não indicam uma retomada no mercado. "O crescimento que houve em janeiro foi de ocupações mais frágeis. Então, estamos perdendo empregos com carteira assinada e estamos gerando ocupações sem garantia, aumentando trabalhadores autônomos, trabalhadores domésticos e sem carteira assinada", afirmou Virginia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia