Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 27/02 às 21h02min

Novo presidente do Fed sinaliza aumento gradual de juros nos EUA

Powell deve dar continuidade à política monetária de Janet Yellen

Powell deve dar continuidade à política monetária de Janet Yellen


/CHIP SOMODEVILLA/AFP/JC
Em seu primeiro depoimento ao Congresso, o novo presidente do Fed (o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmou ontem irá continuar a aumentar gradualmente a taxa de juros dos Estados Unidos, a fim de manter a economia estável. "Aumentos graduais irão promover a melhor obtenção de nossos objetivos (estabilidade de preços e máxima empregabilidade)", declarou. Atualmente, a taxa de juros dos EUA está entre 1,25% e 1,5%.
A declaração de Powell demonstra a continuidade da política monetária de sua antecessora, Janet Yellen: no ano passado, o Fed aumentou os juros por três vezes consecutivas. "Nossa estratégia atual parece estar funcionando bem", afirmou.
Durante a audiência com os deputados, Powell expôs a existência de alguns fatores-chave no atual cenário econômico do país, que podem ter efeitos inflacionários. Entre eles estão uma política fiscal mais expansiva, a elevação da renda média do norte-americano, novos investimentos privados e uma maior demanda por exportações dos EUA.
A previsão do Fed, segundo expôs o presidente, é que a inflação norte-americana cresça levemente ao longo do ano e se aproxime dos 2% nos próximos 12 meses. Em 2017, a taxa foi de 1,7%. O objetivo do órgão, portanto, é estabilizar a inflação em 2%, a fim de garantir o crescimento sustentável da economia.
Apesar disso, Powell destacou que considera o cenário econômico dos EUA "sólido" e "forte". Ele fez referência à taxa de desemprego no país, que caiu para 4,1% no último ano, e destacou o desempenho do PIB, que cresceu próximo de 3% no final de 2017.
Powell se demonstrou otimista com a economia norte-americana, a despeito de uma recente queda na bolsa de valores, que agitou investidores. Para ele, é preciso estar alerta a sinais de desequilíbrio no mercado financeiro, mas ele afirmou não se preocupar com riscos sistêmicos neste momento.
Advogado de inclinação republicana, o novo presidente do Fed se desviou de perguntas sobre o desemprego entre negros, o recente corte de impostos pelo presidente Donald Trump e a desigualdade de pagamento entre homens e mulheres. Pressionado por deputados democratas a se manifestar sobre esses temas, Powell afirmou que o Fed "não tem ferramentas" para atuar nessas áreas e que a responsabilidade cabe ao Congresso ou ao governo.
O advogado também defendeu uma regulação menos pesada para pequenos negócios financeiros, e disse que o objetivo do Fed é promover a prosperidade entre todas as camadas da população.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia