Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 26/02/2018. Alterada em 25/02 às 19h19min

Polo naval gaúcho teme período de estagnação

Com a finalização da plataforma P-74, trabalhos serão retomados com a chegada dos cascos da P-75 e da P-77

Com a finalização da plataforma P-74, trabalhos serão retomados com a chegada dos cascos da P-75 e da P-77


/PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Com a partida da plataforma P-74 do estaleiro EBR na sexta-feira, com o estaleiro QGI esperando os cascos provenientes da China para concluir a P-75 e a P-77 e a Ecovix sem encomendas, o polo naval gaúcho entra em um período de ociosidade. O complexo - que, há cerca de quatro anos, chegou a empregar mais de 20 mil trabalhadores -, agora, conta com um pouco mais de 500 pessoas para atuar, fundamentalmente, nas áreas de manutenção e conservação.
"Resta rezar e ter esperança", afirma o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande e São José do Norte, Sadi Machado. O dirigente critica a postura do governo federal, como controlador da Petrobras, que preferiu que a estatal concentrasse suas encomendas no exterior, desconsiderando uma contratação de serviços com conteúdo nacional. Machado também acusa o governo estadual de omissão quanto à defesa dos interesses do polo naval gaúcho.
O secretário adjunto do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Evandro Fontana, comenta que a conclusão da P-74 foi importante para Rio Grande, mas a falta de perspectivas para a construção de novas plataformas era uma questão já anunciada pela Petrobras. Conforme o dirigente, a Secretaria do Desenvolvimento tem acompanhado esse assunto com entidades e órgãos como os ministérios de Minas e Energia, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, e a Fiergs. "Dentro das atribuições do Estado, temos buscado alternativas para superar os efeitos da crise da indústria naval, buscando atrair investimentos", diz o secretário adjunto. Um exemplo citado pelo dirigente é a nova situação do Distrito Industrial de Rio Grande, liberando para investimentos em áreas que estavam penhoradas.
Já o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Naval, deputado federal Henrique Fontana (PT-RS), considerou a saída da plataforma como um dia de tristeza para a comunidade de Rio Grande e São José do Norte, que viu mais um pedaço do polo naval sendo desestruturado. Segundo o parlamentar, o futuro, agora, é incerto, já que não há expectativa de retomada de outras obras. "Precisamos alterar esta política suicida de encomendar plataformas no exterior e exportar nossos empregos, ao invés de garantir empregos dentro do nosso País", sustenta. A P-74 deixou o estaleiro EBR, em São José do Norte, na sexta-feira pela manhã, com destino ao campo de Búzios I, no pré-sal da Bacia de Santos. A plataforma tem capacidade para produzir até 150 mil barris diários de petróleo e comprimir 7 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia, com uma capacidade de armazenamento da 1,4 milhão de barris.
Com a finalização da P-74, o polo naval somente terá uma atividade mais intensa quando chegarem os cascos das plataformas P-75 e P-77 no estaleiro da QGI, em Rio Grande. Contudo, isso deverá ocorrer apenas no segundo semestre deste ano. Logo após o término dessas duas estruturas, não há mais encomendas confirmadas para serem realizadas no polo naval gaúcho. Apesar do cenário, a prefeita de São José do Norte (PSB), Fabiany Zogbi Roig, tem confiança que particularmente o estaleiro EBR manterá operações no município. "Há boas perspectivas de retomada das atividades de construção de módulos no segundo semestre", adianta.

Atividade econômica no Sul cresceu 0,3% no trimestre até novembro

A atividade econômica da Região Sul cresceu 0,3% no trimestre encerrado em novembro na comparação com os três meses concluídos em agosto, informou, nesta sexta-feira, o boletim regional do Banco Central (BC), que considera os dados dessazonalizados. "Os indicadores econômicos do Sul apresentaram comportamento irregular, inerente ao processo de recuperação em curso", afirma o documento do BC.
Na Região Sul, o BC destaca que a retomada do emprego ajudou a aumentar as vendas do comércio e a impulsionar as operações de crédito no trimestre de setembro a novembro, em relação ao período imediatamente anterior. "Também o segmento de crédito corporativo aumentou no período, ainda que em ritmo menos intenso", observa o relatório.
Já a prestação de serviços e a produção industrial vêm registrando flutuações nos resultados de curto prazo e apresentaram queda no período. "Dados para 2017 corroboraram as contribuições positivas da agricultura e do setor externo para a economia da região." No trimestre encerrado em agosto, a atividade da região também havia crescido 0,3%.
No Norte do País, a atividade econômica apresentou recuo de 0,3% no trimestre encerrado em novembro ante os três meses concluídos em agosto, informou o BC. A entidade ressalta que, na Região Norte, os resultados recentes de indicadores econômicos "reforçam o cenário de recuperação gradual da atividade", que está disseminada nos diversos segmentos da economia. Mesmo assim, o indicador regional acabou apresentando queda. No trimestre encerrado em agosto, o índice havia avançado 2,4%.
Nos três meses encerrados em novembro, o BC destaca que houve, na região, aumentos das vendas do comércio ampliado, da produção industrial - sobretudo da extrativa -, do volume de crédito e do emprego formal, com efeitos positivos sobre a confiança dos agentes econômicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia