Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Notícia da edição impressa de 21/02/2018. Alterada em 21/02 às 00h23min

Ministro garante que Rota 2030 será anunciado neste mês

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, afirmou ontem que ministério está finalizando o texto com o Rota 2030 e que o plano será anunciado neste mês. O principal entrave é sobre a concessão de R$ 1,5 bilhão do governo para que as montadoras invistam em pesquisa e desenvolvimento. O tema, segundo o ministro, está em discussão com o Ministério da Fazenda, que se prolonga há nove meses, mas ele acredita que o valor deve ser aprovado.
O anúncio foi feito durante apresentação das obras de expansão do complexo industrial da Chevrolet, em São Caetano do Sul (SP). O Rota 2030 é aguardado pela indústria automotiva como substituto do Inovar-Auto, que vigorou até o final de 2017 e estabelecia incentivos e deduções fiscais paras as fabricantes a medida que investissem em inovação e tecnologia.
Antes da entrevista do ministro, enquanto Lima estava sentado no palco da cerimônia, o presidente da General Motors para o Mercosul, Carlos Zalenga, reclamou da lentidão do governo federal para anunciar o Rota 2030.
"É fundamental que tenhamos fundamentos para continuar a crescer e investir", disse Zalenga. O executivo afirmou que, para a montadora seguir investindo, precisa ter condição de saber como será o futuro. "Contamos que isso se resolva rapidamente", afirmou.
A demora para o início do plano gera reclamações constantes das montadoras, pois elas avaliam que o atraso pode atrapalhar os investimentos previstos até 2022. Somados, os aportes chegam a R$ 16,7 bilhões.
Outro medida do Mdic que aguarda desembaraço legal da Casa Civil é a redução do IPI para veículos híbridos e elétricos. Segundo o ministro, o texto foi entregue para subchefia de assuntos jurídicos da presidência. Eles estão acertando o texto e alterando para a forma de decreto, afirmou o ministro.
A redução será de 25% para 7%, que é a mesma alíquota aplicadas para carros com motor 1.0. Há quase um mês, o ministro disse que a redução seria anunciada até o início de fevereiro.

GM prevê alta de 20% do mercado e de 25% para as próprias vendas

A montadora norte-americana GM, que no Brasil produz os carros da marca Chevrolet, espera que o mercado brasileiro de veículos cresça em torno de 20% em 2018, afirmou nesta terça-feira, 20, o presidente da empresa para a região do Mercosul, Carlos Zarlenga. "Começamos um novo ciclo de crescimento da indústria automotiva", destacou o executivo, em discurso durante evento que celebrou a expansão da fábrica de São Caetano do Sul, depois de investimento de R$ 1,2 bilhão.
Antes do discurso, em conversa com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que também participou do evento, Zarlenga disse que a expectativa para as vendas da própria GM é ainda melhor, com previsão de expansão de 25%. A GM é a líder de vendas no Brasil; e o Onix, da Chevrolet, é o carro mais vendido no País.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia