Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

16/02/2018 - 08h20min. Alterada em 16/02 às 08h20min

Bolsas de Europa operam em alta, de olho em balanços corporativos

As bolsas europeias operam com ganhos na manhã desta sexta-feira (16). Os índices eram beneficiados pelo bom desempenho de ontem nos mercados acionários em Nova Iorque, reagindo ainda a balanços de importantes companhias do continente.
As bolsas europeias operam com ganhos na manhã desta sexta-feira (16). Os índices eram beneficiados pelo bom desempenho de ontem nos mercados acionários em Nova Iorque, reagindo ainda a balanços de importantes companhias do continente.
Após dias turbulentos mais cedo neste ano, as bolsas europeias mantinham a tendência de recuperação. Com isso, caminham para fechar uma semana positiva. No dia, o setor de energia é um destaque, apoiado pelo avanço do petróleo e do cobre, ao menos por ora.
Entre os balanços em foco, a Eni informou que teve lucro líquido de 2,10 bilhões de euros (US$ 2,62 bilhões) no quarto trimestre, beneficiada pelo aumento no preço do petróleo e pelo crescimento das vendas em várias de suas divisões. O papel da petroleira italiana subia 1,48% na Bolsa de Milão.
Em Paris, a ação da EDF avançava 6,96%, após a companhia estatal do setor de energia registrar lucro líquido de 3,17 bilhões de euros (US$ 3,98 bilhões) no ano passado, comparando-se com 2,85 bilhões de euros no ano anterior. A companhia propôs dividendo de 0,46 euro por ação para 2017. Caso isso se confirme, os acionistas poderão receber esse dividendo na forma de novas ações da EDF.
Ainda na França, a Renault informou que seu lucro líquido avançou a 5,11 bilhões de euros (US$ 6,38 bilhões) no ano passado, acima dos 3,42 bilhões de euros de 2016. A receita subiu 15% na mesma comparação, a 58,77 bilhões de euros, e as vendas de carros tiveram alta de 8,5%, a 3,8 milhões de veículos. A ação subia 2,77% em Paris.
O papel da Air France-KLM, por outro lado, tinha baixa de 4,77%. Ele chegou a operar em território positivo logo após o balanço, mas piorou. A companhia registrou prejuízo de 977 milhões de euros, revertendo o lucro líquido de 362 milhões de euros de igual período do ano anterior. As vendas da empresa cresceram 2,4%, a 6,23 bilhões de euros. O resultado agradou num primeiro momento, mas logo analistas mostraram preocupação com a perspectiva da Air France para 2018, o que levou a ação ao território negativo.
Na agenda de indicadores, as vendas no varejo do Reino Unido cresceram 0,1% em janeiro ante dezembro, ante expectativa dos analistas de alta bem maior, de 0,6%. O dado, porém, não prejudicou o humor na bolsa britânica.
Às 7h57min (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,80%, Frankfurt avançava 0,98% e Paris tinha alta de 0,97%. A praça de Milão ganhava 1,24%, Madri subia 1,12% e Lisboa subia 1,16%. No câmbio, o euro subia a US$ 1,2531 e a libra recuava a US$ 1,4101, praticamente estável.