Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/02 às 10h12min

Petróleo opera em queda, pressionado por aumentos nos estoques

O petróleo opera em queda nesta quarta-feira (14), pressionado por aumentos nos estoques americanos e sinais de elevação rápida da produção.
Por volta das 9h30min, o barril do tipo Brent para abril, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), caía 0,48%, a US$ 62,43, enquanto o WTI para março, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) recuava 0,79%, a US$ 58,74.
No final da terça-feira, a American Petroleum Institute (API), uma associação de refinarias, revelou um aumento de 3,9 milhões de barris nos estoques de petróleo na semana encerrada em 9 de fevereiro, além de uma alta de 4,6 milhões e barris nos estoques de gasolina. Hoje, o Departamento de Energia (DoE) publica os números oficiais dos estoques americanos.
"As preocupações estão abundantes com a possibilidade de que o aumento dos estoques será a regra durante as próximas semanas, com as refinarias entrando na temporada de manutenção", afirmou Stephen Brennock, analista na PVM Oil Associates Ltd.
Os estoques voltaram a crescer neste mês após várias semanas de queda. Ao mesmo tempo, os investidores estão ficando cada vez mais preocupados com o impacto do aumento da produção de xisto no mercado americano.
Ainda ontem, a Agência Internacional de Energia (AIE) afirmou que a produção de petróleo de países que não fazem parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) provavelmente ultrapassará a demanda global pela commodity, pressionando os preços.
No ano passado, a produção dos EUA passou de 10 milhões de barris por dia, superando a Arábia Saudita e rivalizando com a Rússia, os dois maiores produtores até então.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia