Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 26/02/2018. Alterada em 25/02 às 22h26min

Serviço

Vinícola Geisse, Thiago Copetti

Vinícola Geisse, Thiago Copetti


/THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
A história da Vinícola Geisse, criada pelo chileno Mário Geisse quando veio morar no Rio Grande do Sul a serviço da Chandon, nos anos 1970, é tão impressionante como a Geisse Experience. O passeio pela propriedade é oferecido por trilhas de mata em veículos 4x4 e culmina com um deslumbrante brinde às margens de uma cachoeira. O roteiro se funde com a história da família, que colocou Pinto Bandeira, com destaque, na rota mundial da bebida.
A cachoeira onde termina a visita era reduto dos filhos de Geisse quando queriam acampar na propriedade. Hoje, para privilégio de turistas, foi transformado no Espaço Zen, local de descanso e brindes em meio à natureza. A beleza do local complementa o Open Lounge e seus petiscos, como as empanadas feitas com receitas de família. E tudo se harmoniza com a qualidade dos espumantes produzidos.
A ascensão dos espumantes da empresa teve início em 2012, quando Oz Clarke, famoso degustador da Europa, escolheu seus vinhos e espumantes favoritos, e a Cave Geisse ficou em 3º lugar. Em 2014, foi eleita o melhor espumante brut pelo Anuário Vinhos do Brasil. Na sequência veio a coroação com Jancis Robinson, especialista em espumantes, que deu nota 18,5, no total de 20, ao mesmo espumante.
Também em 2014, foi celebrada na edição do ranking Vinícola do Ano do Novo Mundo, da Wine Studius. E os prêmios não pararam: em janeiro deste ano, em Nova Iorque, na categoria New World Winery (vinícolas do novo mundo), a Cave Geisse recebeu o troféu Wine Star Award, da Wine Enthusiast.
"Somos a única vinícola brasileira a constar com um espumante no livro Mil vinhos para beber antes de morrer", comemora Daniel Geisse, um dos herdeiros da empresa.
Daniel, responsável pelos departamentos comercial e de marketing, conta com entusiasmo a origem da vinícola, em terras compradas pelo pai após anos de estudo sobre os solos da região. O fundador, descrito como detalhista e geólogo autodidata, era um obstinado pelo estudo de tudo o que levaria ao melhor terroir possível, até encontrar a atual propriedade e adquiri-la. Foram anos de pesquisa, dedicação e planilhas com informações e controles que resultaram na vinícola que se tornou referência gaúcha em espumantes.
"Poderíamos ser muito maiores. Crescer no Brasil, com o tamanho que o País tem, é fácil. Difícil é manter a qualidade que queremos", destaca Daniel.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia