Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Partidos

Alterada em 30/01 às 14h38min

Membro da 'tropa de choque' de Temer, Beto Mansur deve trocar PRB pelo PMDB

'Estou conversando e está avançando',admitiu o deputado

'Estou conversando e está avançando',admitiu o deputado


LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Integrante da chamada "tropa de choque" do governo na Câmara, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) deve se filiar ao PMDB, sigla do presidente Michel Temer. A filiação deve ocorrer durante a janela para parlamentares trocarem de partido sem risco de perda de mandato, prevista para março.
Mansur é um dos cerca de cinco deputados federais que a legenda de Temer espera filiar durante a janela, período em que a sigla também prevê perder pelo menos outros quatro parlamentares, que devem migrar para partidos como DEM e PDT.
Vice-líder do governo na Câmara e candidato à reeleição neste ano, Mansur negocia a filiação diretamente com o líder do PMDB na Casa, deputado Baleia Rossi, que é presidente do diretório do partido em São Paulo. "Estou conversando e está avançando", disse Mansur.
Além dele, o pMDB negocia filiação de mais dois deputados federais paulistas, cujos nomes ainda são mantidos sob sigilo. O partido também espera a filiação de outros dois parlamentares que hoje estão no PSB, entre eles, a deputada Maria Helena (PSB-RR).
Em contrapartida, o PMDB espera perder pelo menos quatro deputados. São eles: Laura Carneiro (RJ) e Rodrigo Pacheco (MG), que negociam filiação ao DEM; Celso Pansera (RJ), que mantém conversas com o PDT; e Veneziano Vital do Rêgo (PB), cujo destino ainda é desconhecido.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia