Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 26/01/2018. Alterada em 25/01 às 22h39min

PT confirma Lula mesmo com fato 'indesejável'

Nome do ex-presidente foi aprovado por aclamação na sede da CUT

Nome do ex-presidente foi aprovado por aclamação na sede da CUT


RICARDO STUCKERT/FOTOS PÚBLICAS/DIVULGAÇÃO/JC
Ao confirmar sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, em reunião das lideranças nacionais do PT, nesta quinta-feira, que a campanha presidencial do partido tem que seguir mesmo que aconteça uma "coisa indesejável". No dia anterior, o petista teve sua condenação no caso do triplex confirmada por unanimidade no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o que pode torná-lo inelegível.
"Espero que essa candidatura não dependa do Lula", afirmou o ex-presidente. "Essa candidatura só tem sentido se vocês forem capazes de fazê-la mesmo que aconteça uma coisa indesejável. É colocar o povo brasileiro em movimento."
"E nós temos uma arma poderosa. É cobrar deles (Judiciário), todo santo dia, que eles apresentem uma prova de qual foi o crime que eu cometi", seguiu Lula, que acusou os juízes do TRF-4 de formarem um "cartel" em seu julgamento.
O desembargador Leandro Paulsen, revisor do processo de Lula no tribunal, mencionou em seu voto que a prisão do ex-presidente poderá ser pedida assim que forem julgados os embargos de sua defesa. É o que determina a Súmula 122 do tribunal: "Encerrada a jurisdição criminal de segundo grau, deve ter início a execução da pena imposta ao réu, independentemente da eventual interposição de recurso especial ou extraordinário".
O rigor da sentença encurtou o cronograma projetado pelo PT para brigar pelo registro do nome de Lula na disputa pelo Planalto, mas o partido reitera a intenção de seguir com a candidatura dele.
"Nós não estamos jogando sozinhos no campo", afirmou o petista no evento. "Nós temos outros candidatos, e as pessoas que me julgaram ainda têm a caneta com tinta e certamente vão tentar criar obstáculo para evitar que o Lula continue andando pelo País falando mal deles."
A presidente nacional da sigla, senadora Gleisi Hoffmann, voltou a negar, no encontro, que o PT trabalhe com a possibilidade de um plano B. "Lula é o nosso candidato às eleições de 2018", confirmou ela no palco, antes de colocar em votação a candidatura do ex-presidente, aprovada por aclamação pelo auditório reunido na sede nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na região central de São Paulo. "Dom Pedro criou o Dia do Fico, e eu vou dizer o 'dia do aceito'. Eu aceito a indicação de pré-candidato pelo partido", afirmou Lula.
Em outro momento, enquanto criticava a Operação Lava Jato, disse que "certamente o PT não ia querer ter como candidato alguém que tivesse roubado". Para o ex-presidente, o PT é "vítima de uma trama premeditada" a partir "de um pacto entre o Judiciário, a mídia e as instituições outras do Estado brasileiro, que constroem uma versão".
"E eles encontraram uma coisa que detona qualquer político: corrupção. Corrupção é uma desgraça. Mesmo os amigos da gente, quando a gente é denunciado, num primeiro momento, até a gente provar que não é, as pessoas falam: 'E se for?'", ponderou. "Não é uma coisa simples você andar na rua e alguém gritar que você é ladrão. Isso é o que mais coloca a minha honra acima da pele, porque eu aceito me chamar até de corintiano, mas não posso aceitar que um canalha qualquer nesse País me chame de ladrão."
Após reunião com o ex-presidente, o comando do PT divulgou uma resolução em que determina formação de ampla aliança. A nota prega "aprofundar o diálogo e manter a unidade com partidos e forças sociais, buscando formar ampla e sólida aliança, com todos que se coloquem de acordo com o programa de governo que estamos construindo e apresentaremos ao País".

Petista diz ser vítima de 'cartel' dos juízes do TRF-4

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse ser vítima de um "cartel" dos juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que confirmaram a sentença de primeira instância aplicada pelo juiz Sérgio Moro, e que aumentaram a pena para 12 anos e um mês.
"Um cidadão ficou seis meses com o processo, o outro teve seis dias, e o outro nem tinha pegado para ler. E eles construíram um cartel para dar uma sentença unânime para evitar o tal embargo infringente. Eles formaram um cartel para tomar uma decisão com o pretexto de apressar a possibilidade de evitar que o PT tenha o Lula como candidato a presidente da República ou de evitar que a gente volte a ganhar as eleições", afirmou.
"Somente ontem (quarta-feira), eu compreendi o que era um cartel. Dava até para mandar para o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica - órgão do governo que investiga a formação de cartéis)", disse ele. O discurso, de 35 minutos, foi recheado de ataques à Lava Jato e de frases em que o petista diz estar de consciência tranquila após a sentença dos magistrados.
"Eles sabem que o que eu estou falando é verdade", disse o petista, acrescentando que estaria pedindo desculpas aos integrantes do partido se tivesse cometido algum crime.
"Toda vez que qualquer instância do Poder Judiciário julgar as coisas com base nos autos do processo, respeitando a Constituição, eu serei o mais respeitador das decisões do Poder Judiciário", afirmou o pré-candidato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia