Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

22/01/2018 - 08h44min. Alterada em 22/01 às 13h40min

Via Campesina faz marcha em Porto Alegre em apoio a Lula

Grupo caminhou até o Anfiteatro Pôr-do-Sol, onde está montado o acampamento da Frente Brasil Popular

Grupo caminhou até o Anfiteatro Pôr-do-Sol, onde está montado o acampamento da Frente Brasil Popular


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Trabalhadores ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e à Via Campesina fizeram uma caminhada na manhã desta segunda-feira (22), em Porto Alegre, em ato em defesa ao ex-presidente Luiz Inácio da Silva, que será julgado pelo TRF-4 na próxima quarta (24) no âmbito da Operação Lava Jato. Os manifestantes se reuniram por volta das 6h30min em frente ao antigo posto fiscal da Receita, na BR-116, nas proximidades da Ponte do Guaíba, de onde seguiram para a Capital. 
Os trabalhadores seguiram em marcha até o Anfiteatro Pôr-do-Sol, na avenida Edvaldo Pereira Paiva, onde está sendo montado um acampamento da Frente Brasil Popular. Integrantes da Brigada Militar e o Exército acompanharam o ato. De acordo com os organizadores, cerca de três mil trabalhadores participaram da marcha. Por volta das 10h, o grupo chegou ao destino final e a manifestação foi encerrada.
O trajeto previsto para a manifestação envolveu itinerário de 7,6 quilômetros, passando por quatro avenidas: da Legalidade e da Democracia, Mauá, Presidente João Goulart e Edvaldo Pereira Paiva. A mobilização contou ainda com a presença do coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, do presidente da Assembleia Legislativa gaúcha, deputado Edegar Pretto (PT), e de lideranças de movimentos populares.
Desde as primeiras horas da manhã, o trânsito é intenso nos acessos à Porto Alegre, com registro de grandes congestionamentos. Somente uma faixa da avenida da Legalidade estava liberada durante o ato, e o trânsito fluía com muita lentidão. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a BR-290 teve 10 quilômetros de congestionamento por volta das 8h. Outros sete quilômetros de trânsito parado foram registrados na Freeway.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Aurivando 22/01/2018 11h45min
Trabalhadores? Fazendo manifestações em plena segunda-feira?nNa minha opinião são um bando de desocupados...nQuem trabalha não tem tempo pra ficar a semana toda nas ruas...