Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Assembleia Legislativa

Notícia da edição impressa de 15/01/2018. Alterada em 14/01 às 21h41min

Pretto nega pedido de impeachment de José Sartori

Perto de fazer um balanço da sua gestão como presidente da Assembleia Legislativa - o que deve acontecer nesta quarta-feira na sede do Legislativo - o deputado estadual Edegar Pretto (PT) negou o pedido de impeachment do governador José Ivo Sartori (PMDB), apresentado pelo Centro dos Professores do Estado Rio Grande do Sul (Cpers Sindicato), em maio de 2017. Foi um dos últimos atos de Pretto na presidência da Casa - cargo que ocupa até dia 2 de fevereiro, quando Marlon Santos (PDT) assume o posto.
Havia expectativa quanto à decisão do presidente, visto que ele é filiado ao principal partido de oposição ao governo do peemedebista. Contudo, o petista considerou que faltava embasamento legal para levar adiante o processo de impedimento. 
O Cpers embasou o pedido, citando a delação de um dos diretores da JBS, Ricardo Saud - na qual o executivo acusou Sartori de ter recebido R$ 1,5 milhão em propina da empresa, através da candidatura presidencial de Aécio Neves (PSDB), na campanha eleitoral de 2014. Na época, o peemedebista negou a propina e disse que a doação foi feita de maneira oficial.
Além disso, o sindicato dos profissionais da educação argumentou que Sartori descumpriu as decisões judiciais que, através de liminares, determinaram que o Palácio Piratini pagasse em dia o salário da categoria. Aliás, o mesmo argumento foi utilizado no primeiro pedido de impedimento do governador feito pelo sindicato, em outubro de 2016. Na ocasião, a então presidente do Legislativo, Silvana Covatti (PP), também arquivou o requerimento.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia