Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 21h26min

Nomeação de Cristiane Brasil é publicada no Diário Oficial

A nomeação da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o cargo de ministra do Trabalho está publicada na edição desta quinta-feira do Diário Oficial da União. A escolha foi anunciada na tarde de quarta-feira após reunião entre o presidente Michel Temer e o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, que é pai de Cristiane.
A posse da nova ministra será na próxima terça-feira, às 15h, no Salão Leste do Palácio do Planalto. Cristiane Brasil assume a vaga deixada pelo também deputado do PTB Ronaldo Nogueira, que apresentou pedido de demissão no dia 27 de dezembro para se candidatar a um cargo eletivo no pleito deste ano.
Formada em Direito, a carioca Cristiane Brasil Francisco ingressou na carreira política em 2003 e exerceu três mandatos de vereadora da cidade do Rio de Janeiro. Em 2014, foi eleita deputada federal pelo estado.
A futura ministra já foi condenada pela Justiça a pagar dívida trabalhista a um motorista que prestou serviço para a sua família por três anos. Ela também firmou acordo com outro profissional da mesma categoria para evitar nova sentença desfavorável.
Os dois casos somados têm condenação para pagamento de R$ 74 mil. O valor refere-se a horas extras, férias, 13º salário, FGTS, verba rescisórias não pagas e multa. Em ambas situações, a deputada alegou que os profissionais faziam um serviço "eventual" e que não eram seus empregados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia