Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Operação Lava Jato

04/01/2018 - 10h24min. Alterada em 04/01 às 21h34min

Prefeito de Porto Alegre quer Exército e Força Nacional em julgamento de Lula

Situação é tranquila na área do TRF-4, que fica nas proximidades do Parque da Harmonia

Situação é tranquila na área do TRF-4, que fica nas proximidades do Parque da Harmonia


FREDY VIEIRA/JC
O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), solicitou apoio do Exército Brasileiro (EB) e da Força Nacional para fazer a segurança no dia do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF-4), marcado para 24 de janeiro. Marchezan postou o ofício com o pedido na manhã desta quinta-feira (4) em seu perfil no Twitter.
Na alegação para a medida, o prefeito cita "manifestações de líderes políticos que convocam uma invasão em Porto Alegre". Em seguida, Marchezan afirma: "tomei essa medida para proteger o cidadão e o patrimônio público". A direção do PT prepara um ato de recepção ao petista para a data, além de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que já anunciou que pretende acampar na região do julgamento. 
> O post de Marchezan no Twitter:
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/04/206x137/1_twitter-1711644.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a4e1ac65adaa', 'cd_midia':1711644, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2018/01/04/twitter-1711644.jpg', 'ds_midia': 'Twitter de Oficio de Nelson Marchezan Júnior pedindo força nacional e exército no julgamento do Lula  em Porto Alegre', 'ds_midia_credi': 'REPRODUÇÃO TWITTER/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Twitter de Oficio de Nelson Marchezan Júnior pedindo força nacional e exército no julgamento do Lula  em Porto Alegre', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '435', 'align': 'Left'}
No pedido, o prefeito diz considerar ameaças de "de ocupação de espaços públicos municipais pelos diversos movimentos sociais que manifestaram-se publicamente nesse sentido" e também "a menção à desobediência civil e luta propugnadas nas redes sociais por alguns políticos, inclusive senadores da República".
A postagem foi suficiente para gerar reações de áreas da Segurança Pública, tanto locais como do Estado. Há mais de 15 dias foi montado um gabinete de crise para avaliar medidas preparativas para o julgamento. Na Rádio Gaúcha, o secretário municipal de Segurança Pública, Kleber Senisse, diz que não houve definição de pedido do apoio do EB e Força Nacional. O secretário estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer, também foi ouvido e descartou a necessidade da medida. A Força Nacional já está em Porto Alegre, e teve a permanência renovada no fim de 2017 pelo governo federal para mais seis meses.    
Lula foi condenado, em primeira instância, a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP). Se a condenação for confirmada, Lula pode ser impedido de disputar a eleição presidencial. O petista lidera pesquisas eleitorais para a sucessão de Michel Temer, seguido pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC). O cientista político Paulo Sérgio Peres avalia que será uma disputa de "cachorro grande".   
Em decisão liminar do dia 29 de dezembro, o juiz federal Osório Ávila Neto acolheu requerimento em ação civil da Procuradoria da República e interditou o Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, que fica em frente ao TR-4, proibindo no local conhecido como Parque da Harmonia instalações do MST desde esta data (29 de dezembro) até três dias depois do julgamento. Não foram proibidas manifestações nas proximidades do TRF-4. 
"A determinação judicial é para controlar o acesso de modo a assegurar a normalidade do trânsito de pessoas e veículos no entorno do Tribunal, garantido o direito de manifestação no Parque da Harmonia", destacou a Justiça, em nota.
Com agência Estado
> Confira o ofício enviado por Nelson Marchezan Júnior para o presidente Temer:
Nelson Marchezan Jr/Divulgação/JC
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia