Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Corrupção

Notícia da edição impressa de 02/01/2018. Alterada em 01/01 às 19h55min

Ex-governador do Amazonas e mais quatro ex-secretários são presos em Manaus

O ex-governador do Amazonas José Melo (Pros) passou a virada do ano na sede da Polícia Federal (PF) em Manaus. Ele foi preso no domingo por decisão da juíza substituta Ana Paula Silva Podedworny, do Tribunal Federal da 1ª Região. O despacho determinou que Melo ficará preso por pelo menos cinco dias.
Ele é acusado de integrar uma quadrilha que promoveu desvios milionários na saúde.
A Polícia Federal afirma que o ex-governador recebia pagamentos periódicos de uma quadrilha que atuava desviando recursos públicos. Melo é investigado por corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais e de organização criminosa.
Além do ex-governador, três outros secretários da gestão dele passaram a virada do ano presos: Afonso Lobo (Fazenda), Wilson Alecrim (Saúde) e Evandro Melo (Administração).
Ontem, Pedro Elias, que também comandou a secretaria de Saúde, se apresentou na sede da PF. Ele era considerado foragido por não ter sido encontrado em casa no domingo.
A previsão era de que os cinco seriam transferidos ontem ao Centro de Detenção Provisória de Manaus 2.
A prisão de Melo em 21 de dezembro marcou a terceira fase da Operação Maus Caminhos, iniciada em setembro do ano passado, que investiga o desvio de ao menos R$ 50 milhões de repasses do governo federal ao sistema de saúde do Amazonas, segundo o Ministério Público Federal.
Em 27 de dezembro, ele foi solto, beneficiado por uma decisão do juiz plantonista Ricardo Salles, que converteu a prisão temporária do ex-governador em domiciliar.
Em maio, o Tribunal Superior Eleitoral cassou Melo por compra de votos para a sua reeleição, em 2014. Em agosto, houve novas eleições no Estado, com a vitória de Amazonino Mendes (PDT).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia