Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 25/01/2018. Alterada em 24/01 às 22h04min

Leilão de estabelecimentos de ensino da BM

Sérgio Pastl
Temos lido na imprensa notícias de leilão de próprios da Academia de Bombeiros, a Escola de Educação Física da BM. Os EENs citados ao lado de outros, como a Esfas de Santa Maria e as Esfes de Montenegro e Osório, são a infraestrutura física indispensável à capacitação da tropa para alcançar-se o profissionalismo e espírito de corpo da estrutura militar, e sua liquidação para fazer caixa ao Estado a nosso juízo em muito prejudicaria a eficiências das forças BM e CBM.
O argumento que a destinação de parte do crédito a ser obtido em hasta pública será aplicada em novos próprios para aquinhoar os atuais EENs, como está inserta nas notícias veiculadas em comento, talvez não se concretize pelas próprias dificuldades que o RS tem historicamente testemunhado na implantação de bons projetos, decorrentes da carência de recursos do Tesouro e o peso da dívida pública e da folha de pagamento. Trocaríamos o certo pelo duvidoso. Desfazer-se de bens imóveis em nossa cultura gaúcha é empobrecer, e nesse viés recentemente manifestou-se na imprensa eminente ex-governador e jubilado senador, afirmando que a venda de bens do Estado não trará solução efetiva ao problema e o nosso amado Estado, após dispender essas parcas moedas na gigantesca e difusa despesa pública corrente, continuaria com dificuldades, logicamente não mais dispondo de tão importantes próprios de ensino da BM e CBM.
Onde, então, formaria seus quadros e os manteria aptos? Rogo às autoridades maiores do Estado sopesarem a questão e adotarem soluções outras para a problemática do erário. Por oportuno, requeiro ao comando perdoar-nos esta transgressão ao nosso RDBM, eis que é tão somente fruto de nossa imensa paixão pela corporação e pela causa pública.
Coronel da Brigada Militar
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia