Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 24/01/2018. Alterada em 23/01 às 21h29min

Sinal de fim dos tempos

Nadir Silveira Dias
As pessoas estão confusas. Muito confusas. Elas querem que seus filhos façam tudo, de tudo, e homens e mulheres que façam apenas o que elas querem. Isso é uma absoluta dessintonia, uma absoluta incoerência. Sim, porque ninguém sabe ou ouviu falar de quem tenha plantado ventos e tempestades e colhido bonança. Ao contrário, terá colhido, colhe ou colherá apenas e exatamente o que plantou. Não existe mágica nesse aspecto. E também não existe, nunca existiu mágica na criação de filhos. Na sua formação, na sua construção como ser humano social, pois a sua criação pelo Criador não prescinde dos cuidados de desenvolvimento e formação que o próprio Criador definiu como obrigação dos pais.
E se os pais não cumprem a sua obrigação de bem criar, e isso dá muito e muito trabalho, não podem querer depois que a sociedade tenha homens e mulheres assim e assim, bem cumpridores de todas as suas obrigações de filhos, de estudantes, de aprendizes, de profissionais, de vizinhos, de colegas de trabalho, de namorados, noivos, maridos, e de pais para formar bons filhos.
O importante é que fique bem claro que da Criação, do filho de Deus, que vamos ter, nós nada sabemos. No entanto, nos cabe a altíssima obrigação de fazer daquele ser, daquela alma que recebemos para cuidar e formar, o melhor que ela possa ser. E isso somente se faz com empenho, esmero, e muito trabalho nesses cuidados todos que o ser exija e sem que cada um de nós tenha que ser escravo dos próprios filhos. E aqui se volta ao início do círculo. Somente podemos dar aquilo de que somos possuidores. Se tivermos formação, podemos dar formação, se não temos, damos o que temos, seja lá o quem for. A imperecível disciplina nesse mister se faz mais mestra do quer qualquer outra.
Isso que vemos é um sinal de fim dos tempos ou...? Assim como sumiram assírios, aramaicos e fenícios?
Jurista, escritor e jornalista 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia